Wednesday, March 15, 2017

Globo e SBT incentivam "abuso infantil".

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

A Rede Globo levou ao ar mais uma fraude jornalística para a promoção do que a Associação Americana de Pediatras classificou de "abuso infantil" - condicionar crianças a acreditarem que uma vida inteira de personificação química e cirúrgica do sexo oposto seja normal e saudável [1]. 

No último domingo, 12 de março, o Fantástico estreou a série "Quem sou eu?" - que irá abordar a questão dos chamados "transgêneros" [2]. No primeiro episódio, o programa "dramatizou" - e enalteceu - a história de uma criança. Contudo, o auto-proclamado "show da vida" deu voz apenas aos "especialistas" que corroboram a sua tese. Um deles, inclusive, justifica o "transgenerismo" com um desajuste entre a "genitália" e o "cérebro"; porém, por ignorância ou malícia, ele não toca nos cromossomos sexuais e nos seus genes, que determinam previamente o masculino e o feminino - portanto, ninguém "nasce" com "gênero", ou sendo "transgênero", e sim com um sexo biológico, que é objetivo e binário: masculino ou feminino. 

O Fantástico omitiu o parecer dos pediatras americanos, mas não só ele, omitiu do telespectador o laudo do Doutor Paul R. McHugh, ex-chefe de Psiquiatria do Hospital John Hopkins (EUA): a transexualidade é um transtorno mental que merece tratamento - 70-80% das crianças que expressam tais "sentimentos transexuais" os perdem espontaneamente, um sinal de que muito da "transexualidade" é influência de adultos que projetam esses sentimentos nas crianças [3]. O Dr. Richard B. Corradi - professor de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Case Western Reserve University (Cleveland, Ohio, EUA) observa que o transgenerismo é uma "histeria de massa" [4]. O Fantástico, porém, dele não falou nada. Como não apresentou o testemunho de Paul - um transexual arrependido - que afirmou na CNN: “isto é um experimento, é como se as crianças fossem cobaias de laboratório; eles não sabem o que vai acontecer com eles, e eles estão ‘vendo como são injetados hormônios neles, vendo que bloqueiam a sua puberty’ (puberdade)” [5].

Dito isso, é importante perguntar: onde está o Ministério Público? Não se trata apenas da veiculação reiterada de fraudes jornalística através de uma concessão pública [6], mas do empenho de uma emissora para promover uma engenharia social macabra - um "abuso infantil", para reiterar a posição da Associação Americana de Pediatras - que está vitimando crianças indefesas e vulneráveis.

- DENUNCIE A REDE GLOBO E O FANTÁSTICO: 


2. MPF - Sala de atendimento ao cidadão. Registre aqui a denúncia: [http://www.mpf.mp.br/para-o-cidadao/sac].

II.

O SBT deu a sua contribuição para disseminar e promover - como coisa muito "normal" - uma proposta de engenharia sexual e comportamental monstruosa. Narrando como uma espécie de "conto de fada", o programa "Fofocalizando" apresentou ao telespectador: "De Olívia a Oliver" - a história de uma criança transgênero [7].

A matéria, porém, não levou às telas o parecer da Associação Americana de Pediatras, que classificou como "abuso infantil" condicionar crianças a acreditarem que uma vida inteira de personificação química e cirurgica do sexo oposto seja normal e saudável [8]. Não considerou o Doutor Paul R. McHugh - ex-chefe de Psiquiatria do Hospital John Hopkins (EUA) - que atesta: a transexualidade é um transtorno mental que merece tratamento. Ele observa ainda que 70-80% das crianas que expressam tais "sentimentos transexuais" os perdem espontaneamente - o que mostra que muito da "transexualidade" é de influência de adultos que projetam esses sentimentos nas crianças [9]. O Dr. Richard B. Corradi - professor de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Case Western Reserve University (Cleveland, Ohio, EUA) acrescenta que o transgenerismo é uma "histeria de massa" [10].

O SBT omite tudo isso. A emissora de Silvio Santos - com a credibilidade do testemunho de Leão Lobo e o sorriso de aprovação da Mamma Bruschetta - promove o abuso de crianças, o transtorno mental e a histeria em massa.


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. "Associação Americana de Pediatras fulmina ideologia de gênero: é abuso infantil!". Aleteia, 13 de julho de 2016 [http://pt.aleteia.org/2016/07/13/associacao-americana-de-pediatras-fulmina-ideologia-de-genero-e-abuso-infantil/].


[3]. Cf. "Transgender Surgery Isn't the Solution". Wall Street Journal, 13 de maio de 2016 [https://www.wsj.com/articles/paul-mchugh-transgender-surgery-isnt-the-solution-1402615120].

[4]. Cf. "Psychiatry Professor: ‘Transgenderism’ Is Mass Hysteria Similar To 1980s-Era Junk Science". The Federalist, 17 de novembro de 2016 [http://thefederalist.com/2016/11/17/psychiatry-professor-transgenderism-mass-hysteria-similar-1980s-era-junk-science/].

[5]. Cf. "Crianças são usadas como cobaias, denunciam transexuais arrependidos na CNN". ACIDigital, 16 de setembro de 2016 [http://www.acidigital.com/noticias/criancas-sao-usadas-como-cobaias-denunciam-transexuais-arrependidos-na-cnn-72305/].



[8]. Cf. [1] 

[9]. Cf. [3]. 

[10]. Cf. [4]. 

No comments: