Wednesday, August 29, 2018

O homossexualismo devasta a Igreja, mas já não se fala mais sobre ele.

Corrispondenza Romana, 25 de agosto de 2018.
Tradução. Bruno Braga.


Enfim, veio à luz a "Carta do Papa ao povo de Deus" [1], que confirma agora um dado inequívoco: a Igreja de hoje não quer mais falar sobre o homossexualismo. O tema está formalmente excluído das pregações. Na verdade, foi excluído também da carta escrita pelo Papa Francisco, divulgada ontem, e que trata da "devastação" da Igreja norte-americana provocada pela prática do homossexualismo no Clero - não se disse uma só palavra sobre o homossexualismo. Só se fala de "abusos", como se as relações homossexuais habituais de um Cardeal com sacerdotes e leigos pudessem passar em silêncio, dada a maior idade e o consenso dos protagonistas. Como se não fosse o homossexualismo o que provoca e amplia os abusos, e não os abusos que suscitam o homossexualismo. Como se apenas os abusos, e não também o homossexualismo, fossem uma forma de dilacerar a consciência que o Papa Francisco denuncia em sua carta, exemplificando-a com um vago "clericalismo", mas sem atribuí-la ao homossexualismo.

O escândalo que atingiu o Cardeal McCarrick, que objetivamente foi muito próximo do Cardeal Farrell e que recentemente explodiu com o relatório sobre a Pensilvânia, se refere à prática do homossexualismo na Igreja, e não a outra coisa. Pratica do homossexualismo que golpeou amplamente a Igreja norte-americana e chegou ao alto da hierarquia eclesiástica e vaticana. Mas, diante da devastadora situação que, repetimos, tem por objeto o homossexualismo, e não outra coisa, se diz tudo, mas não que o homossexualismo é uma desordem, um mal intrínseco, uma violência inadmissível, uma prática gravemente imoral, um pecado, a negação do plano da Criação. À assombrosa gravidade da situação se soma a gravidade até mais espantosa do silêncio, que de fato cobre a gravidade da situação, esconde-a, desviando a atenção para outras coisas importantes, mas não centrais. Sem chamar o mal de mal, como é possível combatê-lo? E, evitando chamar o mal de mal, não se é já cúmplice, ainda que sem fazer nada?

Se olharmos à nossa volta, devemos constatar que todos, na Igreja, há tempos deixaram de avaliar moralmente o homossexualismo, inclusive evitando falar a respeito. O tema desapareceu das homilias, dos discursos, da imprensa católica. A expressão é conservada somente em algumas iniciativas pastorais orientadas a incluir os casais homossexuais no tecido eclesial com modalidades de expressão que são apenas de acolhida, mas não de avaliação. No transcurso do longo período do caso de Staranzano, creio nunca ter lido uma declaração do Bispo de Gorizia (região do Friul-Veneza Júlia, na fronteira com a Eslovênia) que reiterasse a avaliação negativa do homossexualismo expressa desde sempre pelas Sagradas Escrituras e pelo Magistério da Igreja. No caso do pároco de Verona, que se "casou" com o companheiro, o Bispo disse e escreveu belas palavras sobre o matrimônio e a família, mas não confirmou expressamente a doutrina católica sobre o homossexualismo.

Todos se calam sobre o homossexualismo. Porém, depois se permite que o padre James Martin fale sobre o tema no Congresso da Família, em Dublin, e não só como um problema pastoral, mas como uma oportunidade para a vida da graça. Surgem os protestos, alguns Cardeais renunciam, outros dizem que não vão participar... mas, não se toca no padre Martin. Entendo que, por oportunidade política, alguns eminentes homens da Igreja de agora, mais comprometidos e que se sentam na presidência de importantes dicastérios, possam talvez renunciar depois de Dublin. Do contrário, o fracasso seria evidente. Mas, o padre Martin continuará no seu cargo. 

É a esta altura que o simples fiel da Igreja Católica elabora duas ideias próprias que resumem a situação. A primeira coisa que a ele parece evidente é que existe uma forte presença homossexual na Igreja, e a segunda é que essa forte presença age para mudar a doutrina da Igreja sobre o homossexualismo. É para dissipar esta hipótese que se sente a necessidade urgente de que o Papa, os Cardeais e os Bispos chamem o homossexualismo pelo nome, sem mantê-lo com relutância no silêncio.

Mas, alguém dirá que, no Catecismo (*) e em vários outros documentos do Magistério - além de São Paulo - a questão é clara e definida para sempre. É verdade, mas conhecemos o clima teológico de hoje: não falar mais de homossexualismo, ou falar sem condenar e dentro de um aberto e dialogante contexto pastoral, com o propósito de construir pontes, não muros, de se concentrar naquilo que nos une, e não no que nos divide, na impossibilidade de julgar, porque só Deus julga, e outros slogans análogos... Significa deixar as portas abertas, tornando possível a aceitação de fato, sobre a qual os teólogos construirão a aceitação de direito, para o que há muito tempo se está trabalhando. Não se fala mais sobre o homossexualismo na Igreja, porque agora ele é entendido como uma situação "imperfeita", que deve ser acolhido e purificado, valorizando os seus aspectos positivos. Porém, o silêncio assim esconde uma nova doutrina.

Stefano Fontana - lanuovabq.it

OBS. O sacerdote jesuíta James Martin, que sustenta a tese de que os católicos homossexuais não estão obrigados a praticar a castidade, foi convidado pelo Vaticano e pela Arquidiocese de Dublin a proferir uma palestra no IX Encontro Mundial das Famílias. Em sua conta do Twitter, o padre Martin relatou, no dia 14 de junho, a recepção do convite nestes termos: "Estimados amigos: Estou encantado ao aceitar o convite do Vaticano e da Arquidiocese de Dublin para falar no Encontro Mundial das Famílas #WMOF2018, em agosto, antes da visita do @Pontifex, sobre como a Igreja deve acolher famílias com membros LGBT (cf. [http://www.infocatolica.com/?t=noticia&cod=32472]).

(*) Catecismo da Igreja Católica: "A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. Sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. APOIANDO-SE NA SAGRADA ESCRITURA, QUE OS APRESENTA COMO DEPRAVAÇÕES GRAVES, A TRADIÇÃO SEMPRE DECLAROU QUE 'OS ATOS DE HOMOSSEXUALIDADE SÃO INTRINSECAMENTE DESORDENADOS'. SÃO CONTRÁRIOS À LEI NATURAL. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. EM CASO ALGUM PODEM SER APROVADOS" (CIC. 2357).

______

ANEXOS

Notas publicadas no Facebook.
Bruno Braga.

I. 

Para compreender em parte o recente escândalo de abusos sexuais no clero dos Estados Unidos, recomendo novamente a leitura do livro: "Adeus, homens de Deus", de Michael S. Rose [2]. Ele mostra - com testemunhos e documentos - como uma verdadeira máfia gay se instalou nas estruturas da Santa Igreja Católica dos EUA. Um assalto que contou - e conta - com a colaboração direta de membros da Maçonaria, comunistas e "apóstolos" da nefasta Teologia da Libertação.

Trata-se de um livro que descreve a realidade dos Estados Unidos, mas, pelo que o católico pode ver com os próprios olhos nas paróquias do Brasil, em lideranças e grupos de jovens, em pastorais e movimentos, o livro descreveria com propriedade também a situação da Santa Igreja no país.     

II.

"Agora parece claro, à luz desses terríveis escândalos recentes, que certamente existe uma cultura homossexual, não só entre o clero, mas inclusive dentro da hierarquia, e que ela deve ser removida desde a raíz. É, evidentemente, uma tendência desordenada".

Cardeal Raymond Burke,
Entrevista a Thomas McKenna, 16 de agosto de 2018.

III. 

Proponho mais uma leitura: "A Teologia da Libertação gayzista" [3]. Trata-se novamente de um texto sobre o assalto promovido pela máfia gay dentro da Santa Igreja Católica - e aqui, com a colaboração direta do Foro de São Paulo, a organização fundada por Lula e por Fidel Castro para transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista.

"Uma teologia ousadamente libertadora tem que envolver o tema da homossexualidade e da homofobia" [4]. 

Leia.

IV.

Para aproveitar que o tema das últimas "notas" foi a promoção da ideologia gay dentro da Santa Igreja Católica, vamos recordar aqui a militância em favor da ideologia de gênero LGBT gayzista realizada pelo "padre do PT". João, o "apóstolo" da Teologia da Libertação que tenta reeleger-se deputado federal.
Nas imagens, que são de 2017, João aparece na companhia do deputado Jean Wyllys - ícone da "causa" gayzista e, como o próprio "padre do PT", também "batizado" pela Teologia da Libertação [5].

"Haverá um momento em que a batalha final entre o Reino de Deus e Satanás será sobre o matrimônio e a família". Foi o que escreveu a Irmã Lúcia, uma das videntes de Fátima, ao Cardeal Carlo Caffarra. Caffarra, por sua vez, destacou que uma das expressões desse terrível combate é o "enobrecimento da homossexualidade" e, consequentemente, a guerra para consagrar em definitivo a ideologia de gênero LGBT-gayzista [6].

Neste combate, é evidente de que lado está o "padre do PT" - ainda que ele descaradamente ouse pedir a benção de Nossa Senhora para a sua "campanha eleitoral" [7]. Quem precisa definir de uma vez por todas o seu lado é a Arquidiocese de Mariana, que simplesmente assiste ao assédio e ao aliciamento do seu rebanho.  

V. 

"É necessário erradicar as redes de homossexuais existentes na Igreja. Essas redes homossexuais, difundidas já em muitas dioceses, seminários, ordens religiosas, etc., agem protegidas pelo segredo e pela mentira com a força dos tentáculos de um polvo, destroçando as vítimas inocentes, as vocações sacerdotais e estrangulando toda a Igreja".

Arcebispo Carlo María Viganó. 
Ex-Núncio Apostólico nos Estados Unidos (2011-2016).

Documento publicado pelo site Infovaticana no dia 26 de agosto de 2018, e que trata dos escândalos de abusos sexuais nos Estados Unidos (a tradução do trecho citado é minha).

É preciso recomendar de forma insistente a leitura do livro "Adeus, homens de Deus", de Michael S. Rose, para compreender os escândalos de abusos sexuais promovidos por uma "mafia gay" que tomou de assalto a Santa Igreja Católica - e não só nos Estados Unidos, mas também no Brasil, inclusive com a colaboração da Teologia da Libertação. Cf. "Bibliografia. 'Adeus, homens de Deus" [https://b-braga.blogspot.com/2018/01/bibliografia-adeus-homens-de-deus.html].

VI. 

"Título do jornal desta manhã: 'As igrejas devem permitir as uniões entre pessoas do mesmo sexo'. Claramente ignora o fato de que SÃO JUSTAMENTE AS RELAÇÕES HOMOSSEXUAIS A RAIZ DO ESCÂNDALO NA IGREJA CATÓLICA. O desvio da lei de Deus sempre traz dor. Perdoa-nos, Senhor, nós que somos pecadores".

Cardenal Wilfrid Fox Napier, Arcebispo de Durban, África do Sul.
Twitter de 21 de agosto de 2018. Trad. Bruno Braga.

REFERÊNCIAS.


[2]. Cf. "Bibliografia. 'Adeus, homens de Deus" [https://b-braga.blogspot.com/2018/01/bibliografia-adeus-homens-de-deus.html].


[4]. Idem. 


[6]. Idem. 

Thursday, August 23, 2018

"Missa afro"? Uma polêmica e a Liturgia da Santa Igreja Católica.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

A polêmica criada em torno de minhas publicações sobre uma "missa afro" em Carandaí (MG) exige alguns esclarecimentos [1].   

Tomar os textos como uma questão de "racismo", "preconceito" e "intolerância" - ou até como de cunho "pessoal" para com o sacerdote - é distorcer completamente o que foi colocado. Trata-se de Liturgia e de orientações e princípios da Santa Igreja Católica. 

Para desfazer a distorção basta um único exemplo: o Cardeal Robert Sarah. Ele é negro, africano (Guiné) e prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. Não é preciso dizer que cabe a ele a tutela das celebrações da Santa Missa. Vamos ver o que o Cardeal Robert Sarah diz sobre o assunto: [...] "EU SOU AFRICANO. Deixem-me dizê-lo claramente: A LITURGIA NÃO É O LUGAR DE PROMOVER A MINHA CULTURA. Melhor, é o lugar onde minha cultura é batizada, onde minha cultura é levada para o divino. Através da LITURGIA DA IGREJA (que os missionários levaram por todo o mundo) Deus fala a nós, muda-nos e torna-nos capazes de participar de sua vida divina" [2]. 

Claro e direto. E creio que ninguém em sã consciência irá acusar o Cardeal Sarah de ser "racista", "preconceituoso" e "intolerante" - ou mesmo atribuir a ele outros adjetivos mais pesados que circulam por aí em vários comentários. 

Robert Sarah diz mais: “a questão da inculturação NÃO É PRINCIPALMENTE A QUESTÃO DE COMO PODEMOS TORNAR A LITURGIA MAIS AFRICANA, mais asiática ou mais aborígene. O Divino irrompe no humano, não para se acorrentar pelo humano, mas para abri-lo, purificá-la, liberá-lo, transformá-lo, divinizá-lo. Muitas vezes, tenho a impressão de que NOS OCUPAMOS DE COMO TORNAR A LITURGIA MAIS 'ADAPTADA', do que de oferecer toda a sua riqueza” [3]. É o que afirma o Cardeal negro, africano e responsável por cuidar da Liturgia.   

E mais. Na última Assembléia Geral da CNBB (da CNBB!), realizada em Aparecida, Dom Armando Bucciol, presidente da Comissão Episcopal Pastoral de Liturgia - vou repetir: Liturgia! - afirmou o seguinte: “NINGUÉM NA IGREJA É DONO DA LITURGIA. Eu não sou dono, sou servidor. Também o Papa é servidor da Igreja, o primeiro. E, portanto, EU NÃO POSSO MANIPULAR A LITURGIA AO MEU BEL PRAZER... segundo o que eu chamo de 'criatividade selvagem e fantasia'" [...] “A liturgia é obra do Espírito e da Igreja ao longo dos séculos" [...] "Às vezes, se confundem as coisas, não se conhece a história, nem as raízes nem as razões de cada gesto e de cada rito. Portanto, UM PADRE, ou também um bispo, QUE FORA DAS COMPETÊNCIAS RECONHECIDAS PELA IGREJA MANIPULA AO SEU BEL PRAZER (A LITURGIA), ESTÁ TRAINDO" [4].

É perfeitamente compreensível que os paroquianos tenham apreço para com o seu padre, e até se lancem imediatamente a defendê-lo. No entanto, uma vez que é padre da Santa Igreja Católica, ele tem o dever de manter-se fiel às Suas determinações e Liturgia. "Missa afro", portanto, é abuso litúrgico, pois o que existe é a Santa Missa no seu Rito Latino.    

Um detalhe importante deve ser observado quanto a determinados termos da minha publicação. Por exemplo, "profanação", com o qual muitas pessoas se viram escandalizadas. Ora, ele não pode ser tomado no seu sentido vulgar, mas deve ser considerado dentro de um contexto católico, com o fundamento da Liturgia - no que aqui exposto sobre ela ajuda a compreendê-lo - e inclusive dentro do espaço sagrado de uma paróquia, com o seu altar, presbitério, etc., etc. 

Para concluir, cito aqui as palavras do Papa São João Paulo II para os Bispos brasileiros em 2003: [...] "É evidente, porém, que se estaria distanciando da finalidade específica da evangelização, acentuar um destes elementos formadores da cultura brasileira, isolá-lo deste processo interativo tão enriquecedor, de modo quase a se tornar necessária a criação de uma nova liturgia própria para as pessoas de cor. SERIA INCOMPREENSÍVEL DAR AO RITO LITÚRGICO UMA APRESENTAÇÃO EXTERNA E UMA ESTRUTURAÇÃO - NAS VESTES, NA LINGUAGEM, NO CANTO, NAS CERIMÔNIAS E OBJETOS LITÚRGICOS - BASEADOS ASSIM NOS CHAMADOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS, sem a rigorosa aplicação de um discernimento sério e profundo acerca da sua COMPATIBILIDADE com a Verdade revelada por Jesus Cristo" [5]. E define o Papa Bento XVI: "Como estão distantes de tudo isto quantos, EM NOME DA INCULTURAÇÃO, DECAEM NO SINCRETISMO INTRODUZINDO RITOS TOMADOS DE OUTRAS RELIGIÕES OU PARTICULARISMOS CULTURAIS NA CELEBRAÇÃO DA SANTA MISSA!" [6]. 

Feitos os meus esclarecimentos particulares, e com a devida fundamentação, encerro aqui. Mas, se a Arquidiocese de Mariana julgar necessário, para um esclarecimento maior, o dos católicos da região - sobretudo os de Carandaí (MG), como local do episódio em tela -, que examine a questão. 

II.

No contexto das últimas "notas" [7], é interessante transcrever aqui a experiência do embaixador Meira Penna -  que era católico - ao participar de uma "Eucaristia afro-cristã" (que viola a Liturgia e não existe no Rito Latino da Santa Igreja [8]). A experiência é contada - e o católico de fato identificará os trechos de ironia e sarcasmo - no livro "O Evangelho segundo Marx" (editora convívio, 1982, pp. 150-154), no qual denuncia a Teologia da Libertação e os seus "apóstolos" comunistas. Leia: 
A Igreja progressista está realmente progredindo e popularizando-se: comprovei-o há poucos domingos, o primeiro domingo depois do advento de Iemanjá, quando assisti a uma EUCARISTIA AFRO-CRISTÃ correspondente aos grandes sacrifícios que, nas praias do Fio e de Santos, foram oferecidos à divindade. A missa contou com a colaboração de uma banda de ritmo impecável, a ponto de dissolver totalmente os eflúvios soporíferos do ópio do povo. A batucada entusiasmou (do grego "enthousiasmos" = ser possuído ou inspirado por deus). Os crentes sentiram até as suas vísceras o fervor religioso que a austera, fria e burguesa Igreja Católica Apostólica Tridentina, vulgo Romana, não conseguira jamais promover. O "aggiornamento" desejado pelo bom Papa João XXIII está, pelo menos no Brasil, amplamente realizado. UMA ENORME ESTRELA VERMELHA dominava o presépio: suponho que representava aquela que guia os Reis Magos da opção pelos pobres. A meu lado, sentava-se um casal de estrangeiros, descarnados, de lábios finos e olhos pálidos, que pareciam reagir entre o PASMO, a PERPLEXIDADE e o FASCÍNIO, ante esta demonstração da exuberância brasileira, A SOCIEDADE ERÓTICA.
"Senhor, tende piedade de nós!". O barulho era grande. "Cristo, tende piedade de nós!". Crianças por toda a parte, numa demonstração ofuscante do poder do instinto genésico e do princípio bíblico "Crescei e multiplicai-vos" [...] Mulheres grávidas também: a explosão demográfica deste povo escolhido, destinado a grandes coisas no futuro. UM VOZERIO GERAL, ONDE OS OUTRORA DESEJADOS SILÊNCIO E RECOLHIMENTO QUE O MISTICISMO IMPÕE, SAÍRAM PELA PORTA DA FRENTE. Um "menino impossível" e um "diabinho" adorável, seguido com um olhar apaixonado pela orgulhosa mãe, que já esperava outro bebê, AVANÇARAM AOS BERROS SOBRE O ALTAR NO MOMENTO DA ELEVAÇÃO: "deixai vir a mim as criancinhas"... Num canto da Igreja, um casal de namorados cultuava o Deus de amor, que não é necessariamente o do Evangelho de S. João. O calor era grande e não sei bem se o rapaz estava sem camisa, enquanto a moça se esfregava nele e arfava os seios na transparência de seu vestido leve. Afinal de contas, o ardor da fé elevava a temperatura a 40o.! Obviamente, seguiam à sua maneira o sublime conselho paulino: "AMA E FAZE O QUE QUERES". Também, POR QUE NÃO ANDAR NU NA IGREJA? A Igreja era de franciscanos e S. Francisco se despojou diante do bispo de Assis para manifestar sua opção pela pobreza. 
TODOS GINGAVAM E BAMBOLEAVAM AO RITMO EXCITANTE DOS VIOLÕES, DOS ATABAQUES E PANDEIROS E RECO-RECOS, E BATIAM PALMAS. "Glória a Deus nas alturas, e paz na terra àqueles por Ele amados". Todos se consideravam profundamente amados e batiam palmas de satisfação e levantava os braços para cima, NUMA ATITUDE ANTES CARNAVALESCA, DO QUE DE ADORAÇÃO. O Carnaval é aliás, como todo mundo sabe, uma festa religiosa que precede a Semana Santa. POR QUE NÃO TRANSFORMAR A MISSA EM CARNAVAL, neste que Jorge Amado tão bem definiu como o "país do Carnaval"? O Carnaval tem um efeito catártico, para usar a linguagem freudiana, e reduz as repressões do Super-Ego, esse produto detestável do Pai que Édipo, sem complexos, matou. FAÇAM O AMOR, NÃO A GUERRA! MATEM O PADRE NOSSO. A IGREJA PROGRESSISTA SE QUER BRASILEIRA E A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO É NACIONALISTA. "Glória, glória, aleluia!": entretanto a música era a de uma famosa canção dos imperialistas, da época em que se empenhavam numa Guerra Civil para manter os pretos escravizados e discriminados. 
Houve UM PEQUENO MOMENTO DE SERIEDADE quando o sacerdote, depois de transferir o Evangelho para o lugar da Segunda Leitura, pediu à platéia que se ajoelhasse a fim de ouvir aquele trecho do Êxodo em que Jeová manda os judeus lembrarem-se que foram estrangeiros no Egito. Coitados dos padres franceses que são estrangeiros! O tom alegre da missa subitamente se transformou em colérico, quando no sermão o bom e santo franciscano deblaterou contra a maldade das autoridades e juízes que prendem padres franceses. Alguns outros SLOGANS DA LIBERTAÇÃO foram intercalados no profuso e interminável DISCURSO ELEITORAL, sugerindo paradoxalmente antes a figura de Khomeini do que a do "poverello" de Assis. Tive a impressão que se surgisse, no momento, um daqueles moços da TFP, de gravata, paletó e colete preto nos 40o. à sombra, seria IMEDIATAMENTE OFERECIDO EM SACRIFÍCIO EXPIATÓRIO, NUMA PRÁXIS ADEQUADA AO SENTIDO CONCRETO DO EVANGELHO SEGUNDO MARX. 
Mas logo O AMBIENTE CARNAVALESCO RETORNOU. O Credo também foi dançado ao ritmo da batucada: "Creio na remissão dos pecados", oba-oba. "Na ressurreição da carne": Evoé. É isso mesmo o que queremos: "carne-vale"... Já no "Santo, Santo é o Senhor Rei dos Exércitos", as palavras de Isaías estavam tão misturadas nas letras do samba e os ânimos tão açodados no ardor erótico do ágape, que mal pude acompanhar o que se passava. Mulheres histéricas interrompiam o padre para bater palmas e proclamar em voz alta o seu amor ao Deus de amor. Os "Holy Shakers" da Nova Inglaterra certamente não se podem comparar em ritmo e vigor a esses nossos foliões de Jesus Cristo, Super-Star.
À Elevação, FOI O PANDEMÔNIO: baixou o (Espírito) Santo! Pensei lá comigo qual seria a reação de Gustavo Corção se estivesse vivo e assistisse - ele que era tão austero e rígido em seu integrismo - a esse simpósio de novo estilo. O PADRE CARISMÁTICO levantava os braços para os céus, ondulando levemente, e agradecendo a Deus o poder hipnótico que exercia sobre as massas oprimidas e exploradas pelas classes dominantes. Lembrei-me daqueles seitas de gnósticos, adamitas e anabatistas da Idade Média e da Reforma que TRANSFORMAVAM O CULTO NUMA ORGIA DIONISÍACA. NÃO É O BRASILEIRO UM POVO DIONISÍACO, E TROPICALISTA AINDA POR CIMA?
A mulata gorda a meu lado ria, beata, possuída de alegria transcendente. Gingava freneticamente a sua esteatopigia, pensando confusamente em Cristo, Exu, Iemanjá, A Virgem Maria, S. Jorge, Ogun, e S. Judas Tadeu. Eta, mulata boa! SÓ FALTAVA A GALINHA DEGOLADA PARA ENCHER O CÁLICE DE SANGUE...
Ao Padre Nosso formou-se uma espécie de cordão, todos dando as mãos uns aos outros, mas as palavras da oração que Cristo nos ensinou estavam tão atrapalhadas pelas exigências da rima do samba que não eram facilmente inteligíveis. "Perdoai-nos as nossas ofensas... E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do capitalismo... Amém! Amém! Amém!".
Ao "irmão abraçai-vos uns aos outros", A CONFUSÃO ERA GERAL, como diria Machado. A SOCIEDADE ERÓTICA TRANSFORMA ESTE SIMPÁTICO RITUAL NO PONTO ALTO DA LITURGIA mas foi o único momento em que o padre usou de sua autoridade, sem o que ainda lá hoje estaríamos, abraçando-nos uns aos outros...
Talvez eu esteja exagerando. Não sei! Nem todos os pormenores aqui relatados se registraram numa mesma missa. Minha descrição é um "pot-pourri" de observações esparsas. Talvez o que tive foi um sonho ou UM PESADELO ou UMA ANTEVISÃO DO QUE SERÁ O BRASIL, país do futuro, e sua Igreja progressista e popular, "organizando-se para a Libertação" total da Libido. IMAGINEM O PODER DO SAMBA COMO ELEMENTO DE COMUNHÃO, NA "PROPAGANDA FIDE" DA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO!
Em certo momento, perdi um pouco consciência de tudo. E como Elias, da Primeira Leitura, vi passar o vento impetuoso do samba, mas o Senhor não estava no terremoto; e depois, acendeu-se o fogo ardente do CARNAVAL REVOLUCIONÁRIO em que também não estava o Senhor. E ouvi então, abstraindo o barulho, o sopro de uma brisa ligeira, e cobrindo o rosto, saí... (III Reis 19:10 a 13).
III.

Mais um relato do embaixador Meira Penna [9], e que serve para esclarecer no mínimo o despropósito de uma "Eucaristia afro-cristã": 
"Há alguns anos tive ocasião de discutir a questão com um NIGERIANO, Dr. Ebenezer Lashebikan, que fora convidado para lecionar no Centro Afro-asiático da Universidade da Bahia. O Dr. Lashebikan, que é pastor protestante, foi muito franco. CRITICOU OS ESFORÇOS QUE OS INTELECTUAIS BRASILEIROS FAZIAM PARA PRESTIGIAR E VITALIZAR O CANDOMBLÉ, que consideravam um instrumento de auto-identificação tribal, se não nacionalista, dos descendentes dos africanos. Ora, comentava o inteligente nigeriano: "EM MEU PAÍS PENSAMOS DIFERENTE. O CANDOMBLÉ, O VUDU OU A MACUMBA CONSTITUEM EXPRESSÕES DE UM ESTÁGIO INFERIOR DE EVOLUÇÃO. O PAGANISMO FOI SUPERADO. PARA O NIGERIANO, CONVERTER-SE AO CRISTIANISMO ou ao Islã POSSUI O VALOR SIMBÓLICO DE UM DEGRAU PARA UM NÍVEL MAIS REFINADO DE CULTURA. Por que pretenderia então, em função de UMA FALSA 'AUTENTICIDADE RACIAL', uma CURIOSIDADE FOLCLÓRICA ou ANTROPOLÓGICA, ou uma EXTRAVAGÂNCIA DE CABOTINO, DECAIR VOLUNTARIAMENTE DO PATAMAR CULTURAL QUE JÁ ATINGIU"? Lashebikan, repito, era pastor metodista e, nesse particular, são os protestantes bem mais severos do que os católicos no que diz respeito aos riscos de uma tal contaminação" [10].
IV.





Enquanto no Brasil inventam a tal "missa afro" - que não existe, rasga o Missal Romano e pisa a Liturgia -, na África... Na África de verdade, não na fantasia ideologizada, celebra-se a Missa Tridentina e o Rito Latino da Santa Igreja Católica.

Confira as imagens [11].





V. 

Mais uma palavra esclarecedora contra os abusos litúrgicos, profanações e até mesmo sacrilégios que não raro são cometidos sob a insígnia da "Eucaristia afro-cristã" ou "missa afro" - que não existem, mas têm levado muitos católicos ao erro e ao engano. Uma palavra direta para os Bispos do Brasil: 

”A Igreja Católica tributa um sincero respeito em relação aos cultos afro-brasileiros, mas considera nocivo o relativismo concreto de uma prática entre ambos ou de uma mistura entre eles, como se tivessem o mesmo valor, pondo em perigo a identidade da fé cristã católica. Ela sente-se no dever de afirmar que o sincretismo é danoso ali onde a verdade do rito cristão e a expressão da fé podem facilmente ser comprometidas aos olhos dos fiéis, em detrimento de uma autêntica evangelização”. 

Papa São João Paulo II. 
Audiência com Bispos da Regional Nordeste 3 da CNBB, 29 de setembro 1995 [12].

VI.

O Cardeal Francis Arinze foi prefeito da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos (2002-2008). O responsável no Vaticano por cuidar da Liturgia, por aquilo que todos os padres da Santa Igreja Católica devem seguir e obedecer na celebração da Santa Missa.

Neste vídeo, Sua Eminência apresenta esclarecimentos importantíssimos. Assista: [https://youtu.be/-qunILnfndY]. E assista até o fim, pois depois dessas explicações não acredito que nenhum entusiasta da "missa afro" (que não existe) terá a ousadia de acusar o Cardeal Arinze - negro, nigeriano, africano - de ser racista, intolerante e preconceituoso, ou - pela sua função em Roma - de não saber o que está falando.


"Na África e na Ásia, nem toda dança é aceitável. Algumas danças são completamente inaceitáveis em qualquer evento religioso" [...] "Por que banalizar mais? Por que dessacralizar mais?" 

(*). O Cardeal Robert Sarah é o atual prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. Negro e africano (Guiné), ele afirma de maneira enfática: "EU SOU AFRICANO. Deixem-me dizê-lo claramente: A LITURGIA NÃO É O LUGAR DE PROMOVER A MINHA CULTURA. Melhor, é o lugar onde minha cultura é batizada, onde minha cultura é levada para o divino. Através da LITURGIA DA IGREJA (que os missionários levaram por todo o mundo) Deus fala a nós, muda-nos e torna-nos capazes de participar de sua vida divina" (Londres, 05 de julho de 2016). 

VII.

O Concílio Vaticano II é frequentemente invocado para promover todo tipo de aberração dentro das paróquias e igrejas - como a tal "missa afro" (que não existe) -, para legitimar as supostas "inovações" - o que seria mais apropriado chamar de autênticas traições (!) contra a Santa Igreja Católica. Mas, vejamos o que diz o próprio Concílio na constituição "Sacrosanctum concilium", que trata exatamente da Sagrada Liturgia:

"Regular a sagrada Liturgia COMPETE UNICAMENTE À AUTORIDADE DA IGREJA, a qual reside na Sé Apostólica e, segundo as normas do direito, no Bispo. [...]
"Por isso, NINGUÉM MAIS, MESMO QUE SEJA SACERDOTE, ouse, POR SUA INICIATIVA, ACRESCENTAR, SUPRIMIR ou MUDAR seja o que for em MATÉRIA LITÚRGICA" (22, §§1-3) [13].

VIII.

Em 2009, na viagem apostólica a Camarões, - portanto, na África (!) - o Papa Bento XVI  se reuniu com os Bispos do país. As orientações para os camaroneses são claras, e claras também para muitos católicos brasileiros que ainda acreditam numa tal "missa afro" que nem na África existe [14]: 
"A LITURGIA OCUPA UM LUGAR IMPORTANTE NA MANIFESTAÇÃO DA FÉ DAS VOSSAS COMUNIDADES. Habitualmente, estas celebrações eclesiais são festivas e animadas, exprimindo o fervor dos fiéis, felizes por estarem juntos, como Igreja, para louvar o Senhor. ENTRETANTO É ESSENCIAL QUE A ALEGRIA ASSIM MANIFESTADA NÃO SEJA OBSTÁCULO mas meio para entrar em diálogo e comunhão com Deus, através de UMA REAL INTERIORIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS e PALAVRAS DE QUE SE COMPÕE A LITURGIA, para que esta traduza o que se passa no coração dos crentes, em real união com todos os participantes. Um sinal eloqüente desta é A DIGNIDADE DAS CELEBRAÇÕES, sobretudo quando estas se desenrolam com grande afluência de participantes."O AVANÇO DE SEITAS e MOVIMENTOS ESOTÉRICOS e a INFLUÊNCIA CRESCENTE DE UMA RELIGIOSIDADE SUPERSTICIOSA como também do RELATIVISMO são um premente convite a dar um novo impulso à FORMAÇÃO dos jovens e dos adultos, particularmente nos meios universitários e intelectuais" [15].
IX. 

Ora, ora, ora... Depois de recentemente protagonizar o escândalo de uma "missa afro", desencadeando uma polêmica escabrosa sobre uma "celebração" que não existe sequer na África [16], o padre Julião recebeu em Carandaí (MG) o "padre do PT" para um "bate papo com LIDERANÇAS POLÍTICAS (!) e comunitárias NA CASA PAROQUIAL (!)" (cf. imagem). João, o "apóstolo" da Teologia da Libertação que está em plena campanha eleitoral, na tentativa de reeleger-se deputado federal e continuar o seu "serviço" ao criminoso esquema de poder comunista - esquema que contraria frontalmente os princípios e orientações da Santa Igreja Católica. 

A Arquidiocese de Mariana tem o dever de se manifestar para o esclarecimento do rebanho confiado à sua proteção.  


REFERÊNCIAS.


[2] Cf. Discurso em Londres, 05 de julho de 2016 [http://www.movimentoliturgico.org/discurso-na-integra-do-cardeal-sarah/].  

[3]. Cf. "Cardeal Sarah: A Igreja se seculariza quando reduz a fé à medida humana". ACIDigital, 29 de maio de 2017 [https://www.acidigital.com/noticias/cardeal-sarah-a-igreja-se-seculariza-quando-reduz-a-fe-a-medida-humana-91082].  

[4]. Cf. "Não há lugar para 'criatividade selvagem' na liturgia, alerta bispo brasileiro". ACIDigital, 13 de abril de 2018 [https://www.acidigital.com/noticias/nao-ha-lugar-para-criatividade-selvagem-na-liturgia-alerta-bispo-brasileiro-21952]. 


[6]. Cf. Bento XVI aos Prelados da CNBB. Visita Ad Limina Apostolorum, 15 de abril de 2010. 

[7]. Cf. Nota I. 

[8]. Idem.


[10]. Cf. PENNA, J. O. de Meira. "O Evangelho segundo Marx". Convívio: São Paulo, 1982. pp. 156-157. 

[11]. Imagens extraídas do site "Salvem a Liturgia": Sobriedade, Solenidade, Sacralidade!





[16]. Cf. notas I e IV.

Wednesday, August 15, 2018

Foro de São Paulo: o conciliábulo comunista em Cuba.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

Nesta sexta-feira 13, na qual recordamos a terceira aparição da Santíssima Virgem Maria em Fátima - no dia 13 de julho de 1917 -, quando Nossa Senhora, a Mãe de Deus, pediu que Rússia fosse Consagrada ao Seu Imaculado Coração, uma tentativa de evitar que a Rússia espalhasse os seus "erros" pelo mundo [1], recordemos também que se aproxima o XXIV Encontro do Foro de São Paulo, organização fundada por Lula e Fidel Castro que, com o objetivo de transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista, é evidentemente um produto direto dos "erros" da Rússia. O encontro será realizado entre os dias 15 e 17 de julho, e exatamente em Cuba, base para a ampliação e fortalecimento do império do crime comunista e de disseminação da Teologia da Libertação - um dos instrumentos mais perniciosos dos psicopatas e delinquentes, criado para enganar os católicos e tomar de assalto a Santa Igreja Católica, utilizando-A para promover as ambições e interesses da revolução comunista.

II.

O Granma - jornal oficial do Partido Comunista de Cuba - informa que a Secretária Executiva do Foro de São Paulo já está em Havana para presidir o XXIV Encontro da organização criminosa fundada por Lula e Fidel Castro para transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista (Cf. imagem). 

Trata-se de Mônica Valente, que é Secretária de Relações Internacionais do PT e mulher do "mensaleiro" Delúbio Soares, articulador do mega esquema de corrupção que saqueou o país e tentou subjugar o poder legislativo aos interesses do próprio Foro de São Paulo, com o seu fundador - Lula - e sua despachante - Dilma Rousseff - lotados no executivo. 

A propósito, Mônica Valente confirma para o Granma a participação de Dilma Rousseff no conciliábulo comunista de Havana, que também terá a presença da presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (cf. imagem).

III.


Tem início o XXIV Encontro do Foro de São Paulo, que está sendo realizado em Havana, Cuba. Na abertura do conciliábulo, que aconteceu hoje, domingo 15 de julho, Dilma Rousseff foi "ovacionada". Ela que, como Presidente do Brasil, tinha a função de despachante do Foro, da organização fundada por Lula e Fidel Castro para transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista.

IV. 

No dia 14 de julho, sábado, foi realizado em Havana, Cuba, um "Acto de Solidaridad con Lula" (cf. imagem). Trata-se de mais um daqueles rituais comunistas de caráter satânico para a idolatria de um bandido [1]. 

Há aqui um dado no mínimo curioso. O ritual foi celebrado em um centro "batista", "no contexto do 24 encontro do Foro de São Paulo", e no dia 14, véspera da inauguração do conciliábulo comunista (cf. imagem). Mas, foi celebrado também um dia após o aniversário de 101 anos da terceira aparição da Santíssima Virgem Maria em Fátima, 13 de julho, exatamente quando a Mãe de Deus pediu a Consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração, para evitar que ela - a Rússia - espalhasse os seus "erros" pelo mundo [2]. Ora, não resta dúvida de que o Foro de São Paulo e o seu diabólico projeto de transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista são "frutos" desses "erros" mencionados por Nossa Senhora.

Como é possível ver na imagem, Gleisi Hoffmann participou do ritual comunista em Cuba, ela que é presidente do PT e senadora. É mais uma amostra - e uma reincidência [3] - de que o registro da facção disfarçada de partido deve ser cassado, uma vez que a Constituição Federal e a legislação eleitoral vedam o vínculo e a subordinação de partido político a organização internacional (Cf. Constituição Federal, art. 17 e Lei 9.096-95, art. 28). O mandato da senadora Gleisi Hoffmann também deveria ser imediatamente cassado, pois ele participa sem a menor vergonha de uma conspiração comunista internacional, traindo o primeiro compromisso de um senador, o de promover a defesa dos interesses nacionais (Cf. Código de Ética e Decoro Parlamentar, Senado Federal, Resolução n. 20-1993, art. 02, I; Constituição Federal, art. 55, II).

V. 

Da cadeia, Lula envia carta ao Foro de São Paulo [4]. Bandido saúda a organização criminosa que fundou em parceria com Fidel Castro e as articulações de Frei Betto, o traiçoeiro "apóstolo" da Teologia da Libertação. 

O Foro de São Paulo está reunido exatamente em Cuba, no seu XXIV Encontro, transformando a ilha caribenha - mitológica para os militantes revolucionários, simpatizantes e "idiotas úteis"; pesadelo para os próprios cubanos - não só em plataforma para reivindicar de forma cínica e mentirosa a liberdade de Lula, mas para tramar a realização do objetivo principal da quadrilha: transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista.

VI.


Delegação do Partido Comunista da China participa do XXIV Encontro do Foro de São Paulo, realizado em Cuba. Na imagem, a intervenção de Li Quiang, chefe do PCCh, hoje, 17 de julho, no encontro da organização criminosa fundada por Lula e Fidel Castro para transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista.

VII.

Cerimônia de encerramento do XXIV Encontro do Foro de São Paulo, realizada hoje, 17 de julho, em Cuba. Estiveram presentes: o tiranete venezuelano Nicolás Maduro; o cocaleiro Evo Morales, Presidente da Bolívia; o terrorista comunista da FMLN de El Salvador, Sánchez Céren; o Presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez; e o General sanguinário Raúl Castro; entre outros psicopatas e delinquentes. 

Na imagem, Mônica Valente - Secretária Executiva do Foro de São Paulo e também Secretária de Relações Internacionais do PT, mulher do "mensaleiro" Delúbio Soares - lê as conclusões do encontro, que chama a esquerda à "unidade" para se "organizar" e "lutar", com governos, partidos, e movimentos ditos sociais, e "exige" a "liberdade imediata" de Lula, o bandido preso que, em parceria com Fidel Castro, fundou a organização criminosa que conspira para a transformação da América Latina na imensa "Patria Grande" comunista.

VIII.

No XXIV Encontro do Foro de São Paulo, que terminou ontem, 17 de julho, em Havana, estava presente uma delegação da FSLN - Frente Sandinista de Libertação Nacional (cf. imagem). O grupo narco-guerrilheiro comunista governa a Nicarágua, na pessoa do Presidente Daniel Ortega, narco-terrorista comunista e satanista, acusado de estuprar a própria filha adotiva [5]. A Nicarágua inclusive acolheu o encontro do Foro de São Paulo do ano passado [6]. 

Ora, o mundo está assistindo ao massacre imposto pelos narco-terroristas - e parceiros do Foro de São Paulo - à população nicaraguense. O conflito já soma mais de 300 mortos. Com a repressão, o governo comunista ataca não só manifestantes e opositores, mas ordena que milícias intimidem padres, Bispos, e destruam igrejas e paróquias [7]. É uma amostra explícita do caráter nefasto da Teologia da Libertação, que foi instrumento fundamental para tomar de assalto a Santa Igreja Católica - pisar todos os seus princípios e orientações - e instaurar no poder os marginais da FSLN [8]. Marginais que o Papa São João Paulo II confrontou diretamente na própria Nicarágua [9]. 

Uma "curiosidade". Em 1979, Dom Luciano Mendes de Almeida - então Secretário Geral da CNBB - chamou de "levante popular" a revolução com a qual a FSLN tomou o poder, e disse que a narco-guerrilha era "expressão de um povo reprimido em busca de sua liberdade" (cf. imagem) [10]. Está aí o resultado para qualquer um ver: totalitarismo comunista, chacina, repressão e ataques contra a Santa Igreja Católica - e que receberam em Cuba a solidariedade do Foro de São Paulo. Mas, será que a Arquidiocese de Mariana incluiu essa declaração no processo de beatificação de Dom Luciano Mendes de Almeida, ícone da Teologia da Libertação? 

IX. 

As imagens abaixo referem-se a um "seminário" promovido no dia 16 de julho, no âmbito do XXIV Encontro do Foro de São Paulo, em Havana, Cuba. O tema do tal "seminário" foi o "diálogo" do Foro de São Paulo com o "movimiento social y popular". 

Os destaque para as bandeiras não é simplesmente para denunciar que o MST e o MAB (Movimento de Atingidos por Barragens) são parceiros do Foro de São Paulo e que, portanto, trabalham para transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista. Ora, isso é arqui-sabido [11]. 

Trata-se apenas de recordar que o MST e o MAB foram amplamente apoiados por Dom Luciano Mendes de Almeida, tornando-se instrumento para militância comunista da CNBB e a transformação comunista da Arquidiocese de Mariana [12], e para o crescimento do ambicioso esquema de poder encabeçado pelo PT - e pelo bandido encarcerado Lula [13] -, que é o próprio esquema criminoso do Foro de São Paulo.

É preciso perguntar mais uma vez: tudo isso consta no processo de beatificação de Dom Luciano Mendes de Almeida?

(*) PS. Um dos principais líderes do MAB, hoje, é o deputado federal padre João Lula, do PT [14]. O "apóstolo" da nefasta Teologia da Libertação tentará se reeleger nas eleições deste ano, e conta com o apoio vergonhoso da Arquidiocese de Mariana [15].

X.

No âmbito do XXIV Encontro do Foro de São Paulo, realizado em Havana, Cuba, também aconteceu um "Encontro de Mujeres", promovido no dia 16 de julho. 

Não é preciso discorrer aqui sobre o "modelo de mulher" que orienta as militantes comunistas. Contudo, é interessante apresentar a sua "musa inspiradora": Vilma Espín - que foi mulher de Raúl Castro. É ela que estampa a bandeira da "Federación de Mujeres Cubanas" sobre a mesa do encontro de mulheres do Foro de São Paulo (cf. imagem).

Com fuzil na mão, Vilma Espín não apenas uma terrorista comunista. No regime do psicopata Fidel Castro, ocupou papel de destaque e foi a responsável por implantar em Cuba o aborto - o assassinato em massa de crianças inocentes no ventre das mães. 

Torna-se significativa a foto, no encontro do Foro de São Paulo, da reunião reservada entre Dilma Rousseff e Raúl Castro. Terrorista comunista como Vilma Espín - a falecida "companheira" de Raúl Castro -, Dilma se promove como "a primeira mulher" a ter "presidido" o Brasil. E como tal - e também como despachante do Foro de São Paulo - não mediu esforços para legalizar o aborto no país, nomeando Eleonora Menicucci para a Secretaria de Políticas para as Mulheres, uma abortista que acha "uma coisa muito linda" a "técnica" de sucção e dilaceramento de fetos, tendo ela mesma recebido um treinamento clandestino na Colômbia [16].

É importante destacar que a filha de Vilma Espín dá continuidade ao "legado" da mãe. Mariela Castro, que é deputada na ilha dominada pelo pai, vangloria-se não só do morticínio abortista, mas é uma das principais expoentes da nefasta ideologia LGBT-gayzista em Cuba [17].

XI.

No dia 16 de julho, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, participou do "Encuentro de Parlamentarios" do Foro de São Paulo, realizado em Cuba. Trata-se de um seminário de parlamentares que pertencem a partidos da organização criminosa fundada por Lula e por Fidel Castro, e que, portanto, trabalham para a transformação da América Latina na imensa "Patria Grande" comunista. Em outras, palavras Gleisi Hoffmann estava conspirando contra o Brasil. 

É mais uma amostra de que o registro da facção PT deve ser cassado, pois a Constituição Federal e a legislação eleitoral vedam o vínculo e a subordinação de partido político a organização internacional (Cf. Constituição Federal, art. 17 e Lei 9.096-95, art. 28). Deveria ser cassado também o mandato da senadora Gleisi Hoffmann, uma vez que a petista integra uma conspiração comunista internacional, violando o compromisso do senador de promover a defesa dos interesses nacionais (Cf. Código de Ética e Decoro Parlamentar, Senado Federal, Resolução n. 20-1993, art. 02, I; Constituição Federal, art. 55, II).

XII. 


O XXIV Encontro do Foro de São Paulo, realizado em Cuba, também foi "prestigiado" por Nguyen Duc Loi, que é membro do Comitê Central do Partido Comunista do Vietnã. A imagem refere-se à intervenção de Nguyen no seminário que celebrou o "legado" de Fidel Castro, com quem o Vietnã estabeleceu uma parceria histórica para alimentar a macabra "fantasia" comunista e disseminar o seu império do crime pelo mundo. 

XIII. 



Um pouco mais sobre a abrangência do Foro de São Paulo, ainda subestimada por muita gente. Nas imagens, Adán Chávez, irmão do tiranete comuno-bolivariano Hugo Chávez, em reunião com representantes do Partido Comunista da Espanha; e o ex-Ministro da Comunicação da Síria, Mohsen Bilal (Partido Baaz) - todos participando do XXIV Encontro do Foro de São Paulo, da conspiração realizada em Cuba entre os dias 15 e 17 de julho para transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista.


XIV.

Estava programada a participação das FARC no XXIV Encontro do Foro de São Paulo, realizado recentemente em Cuba (15-17 de julho). No entanto, os planos da gangue narco-terrorista teriam sido frustrados pelas autoridades colombianas (Cf. imagem) [18]. 

A parceria, quando visto como prejudicial para a reputação e para as pretensões do Foro de São Paulo, foi camuflada - sem sucesso, claro, pois a associação é escandalosa, e não cabe em nenhum disfarce [19]. Mas, a participação das FARC no encontro do Foro deste ano daria uma aparência de "legitimidade" para a parceria, já que as FARC tornaram-se "partido político" em um escabroso "acordo de paz", que foi recusado pelos próprios colombianos, mas "celebrado" em... em... Cuba! 

Seja como for, está aí mais uma amostra da união FARC-Foro de São Paulo. E, mesmo não podendo estar em Cuba, os terroristas enviaram uma saudação para os participantes do encontro promovido pela organização criminosa fundada por Lula e Fidel Castro. Uma mensagem concluída com ímpeto: "Venceremos" [20] - na esperança de transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista. 


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. "O ritual comunista e o caráter satânico da idolatria a Lula" [https://b-braga.blogspot.com/2018/04/o-ritual-comunista-e-o-carater-satanico.html].


[3]. Cf. "Foro de São Paulo: delinquência comunista na Nicarágua" [https://b-braga.blogspot.com/2017/08/foro-de-sao-paulo-delinquencia.html].


[5] Cf. "Foro de São Paulo: delinquência comunista na Nicarágua", notas I, V [https://b-braga.blogspot.com/2017/08/foro-de-sao-paulo-delinquencia.html].

[6]. Idem.

[7]. "Bispo denuncia novo ataque na Nicarágua: 'Que Daniel Ortega detenha o massacre!'". ACIDigital, 18 de julho de 2018 [https://www.acidigital.com/noticias/bispo-denuncia-novo-ataque-na-nicaragua-que-daniel-ortega-detenha-o-massacre-23533]; [https://youtu.be/n7k4AuCxxz4].

[8]. "A Nicarágua e o 'apostolado' SOCIALISTA-COMUNISTA da revolução" [http://b-braga.blogspot.com/2014/05/a-nicaragua-e-o-apostolado-socialista.html].

[9]. Cf. "Nicarágua: São João Paulo II contra a Teologia da Libertação" [http://b-braga.blogspot.com/2016/01/nicaragua-sao-joao-paulo-ii-contra.html].

[10]. Jornal do Brasil, 22 de junho de 1979, p. 12.

[11]. Cf. "O MST e o Foro de São Paulo" [https://b-braga.blogspot.com/2014/12/o-mst-e-o-foro-de-sao-paulo.html]; Cf. "O Foro de São Paulo, o MST e a revolução "comuno-bolivariana" no Brasil. Fraudes, suicídios, recrutamento de jovens e crianças, e eleições presidenciais" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-foro-de-sao-paulo-o-mst-e-revolucao.html]; "O MST e as FARC"  [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-e-as-farc.html]; "O MST, as FARC e o recrutamento de brasileiros: pelo depoimento de Luiz Inácio 'O Barba' da Silva" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-as-farc-e-o-recrutamento-de.html]; "MST - acordo bolivariano, doutrinação e guerrilha" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/mst-acordo-bolivariano-doutrinacao-e.html]; "Não sabe de nada, inocente?" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/nao-sabe-de-nada-inocente.html]; "A Escola do MST, o acordo bolivariano e o treinamento dos sem-terra" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/a-escola-do-mst-o-acordo-bolivariano-e.html].

[12]. Cf. BRAGA, Bruno. "A transformação da Arquidiocese de Mariana-MG: o efeito corruptor da Teologia da Libertação". Material para estudo [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/03/a-transformacao-da-arquidiocese-de.html]; “Teologia da Libertação”: a transformação comunista da Arquidiocese de Mariana. Material para estudo [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/08/teologia-da-libertacao-transformacao.html] - Dom Luciano e o MST: [https://www.facebook.com/blogbbraga/photos/a.190586071090013.1073741828.184797238335563/1039963972818881/?type=3&theater]; [https://www.facebook.com/blogbbraga/photos/a.190586071090013.1073741828.184797238335563/1056493717832573/?type=3&theater]; [https://www.facebook.com/blogbbraga/photos/a.190586071090013.1073741828.184797238335563/1063746803773931/?type=3&theater].



[15]. Cf. “Estarrecedor: Arquidiocese de Mariana fomenta militância comunista e eleitoral” [http://b-braga.blogspot.com.br/2018/03/estarrecedor-arquidiocese-de-mariana.html]; “Laicato? A Arquidiocese de Mariana e a radicalização comuno-CNBBista contra os leigos e contra a Santa Igreja Católica”, nota II [http://b-braga.blogspot.com.br/2018/03/laicato-arquidiocese-de-mariana-e.html].




[19]. Cf. "Dossiê brasileiro" (Revista Cambio) [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/12/dossie-brasileiro-revista-cambio.html]. (*) Sobre o envolvimento de lideranças petistas com as Farc; "Um desajuste nocivo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/07/um-desajuste-nocivo.html]; "O 'Chefe' e as Farc" [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/12/o-chefe-e-as-farc.html]. (*) Sobre os Ex-Presidente Luiz Inácio e as Farc; "A Gerentona e as Farc" [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/12/a-gerentona-e-as-farc.html]. (*) Dilma Rousseff e as Farc; "O MST e as FARC" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-e-as-farc.html]; "O MST, as FARC e o recrutamento de brasileiros: pelo depoimento de Luiz Inácio 'O Barba' da Silva" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-as-farc-e-o-recrutamento-de.html]; "MST - acordo bolivariano, doutrinação e guerrilha" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/mst-acordo-bolivariano-doutrinacao-e.html]; "O Foro de São Paulo, o MST e a revolução "comuno-bolivariana" no Brasil. Fraudes, suicídios, recrutamento de jovens e crianças, e eleições presidenciais" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-foro-de-sao-paulo-o-mst-e-revolucao.html].