Sunday, July 22, 2018

O dia em que Nossa Senhora se recusou a abençoar Fidel Castro.


(*) Das aparições da Santíssima Virgem Maria em Garabandal, Espanha, a quadro crianças - Conchita Gonzalez, Mari Loli, Jacinta e Mari Cruz - que teriam tido visões e locuções da Mãe de Deus entre os anos de 1961 e 1965.


No Diário do padre Marichalar lemos: "As mesas onde a gente põe os objetos para dar a beijar, sempre estão cheias de coisas, às vezes em tal quantidade que nem se podem contar. Por isso, torna-se emocionante ver como, em meio àquela profusão, elas vão tirando os objetos um a um e, depois de o dar a beijar, o devolvem ao dono. Dizem que só dão a beijar os que a Virgem lhes pede. Quando põem as correntinhas ou as entregam na mão, nunca sabem a quem as entregam. Durante o êxtase, a ninguém enxergam, exceto a Virgem, com uma claridade que parece de dia".

Realmente, sem nunca as terem visto, chamavam pelo nome e sobrenome, e mesmo pela profissão, pessoas presentes. E revelavam certos detalhes que só elas conheciam. Às vezes os terços, os fios das medalhas e as correntinhas se enrolavam todos, mas isto não constituía problema. Em êxtase, tiravam os objetos da mesa, levantavam-nos para o beijo da Virgem, e eles separavam-se facilmente ao contato de seus dedos. Depois, sempre com os olhos fitos na Visão, abriam caminho entre a multidão até encontrarem o dono, por mais distante que se achasse. Tornava-se evidente que Alguém as guiava, chegando a indicar pessoas que se haviam escondido ou afastado propositalmente, para testar a capacidade identificativa das meninas. Também impressionava a destreza com que colocavam nos dedos alianças justas e correntinhas pequenas, pelas quais mal passava a cabeça, e isto sem abrir os fechos e sem olhar para os objetos, nem para os que os recebiam. E isto não aconteceu uma vez ou duas. Na totalidade, os objetos assim devolvidos alcançam certamente muitos milhares, o que significa que a experiência se realizou milhares de vezes. 

Se porém, entre os objetos que elas apresentavam para o beijo da Virgem se encontrava algum que, um ano ou vários meses antes tinha sido já beijado, ouvia-se as videntes dizer:

- Ah, já foi beijado? 

E o devolviam, afirmando:

- A Virgem disse que este já foi...

Outras vezes, a recusa do beijo era por motivos mais sérios. Um dos casos aconteceu na noite de 29 de agosto de 1961. Entre os objetos deixados sobre a mesa, um gaiato enfiou um desenho do rosto de FIDEL CASTRO. Sem nada ver, Jacinta o levantou para a VIRGEM, E DIANTE DA SUA RESISTÊNCIA EM BEIJÁ-LO, comentou com Loli:

- ELA DISSE QUE ESTE MANDOU MATAR TODOS OS PADRES.

- E TODAS AS FREIRAS - completou Jacinta, que também deve ter ouvido a explicação da Virgem. 

Noutra ocasião, entre os objetos colocaram um brinquedo representando o diabo. Loli o ergueu para o beijo, mas instantaneamente o jogou no chão com raiva. 



(*) Texto extraído de CESCA, Olivo. "Garabandal": os tempos finais. Editora Myrian, 1990. pp. 65-67.


ANEXO.

As informações abaixo foram dadas pela vidente Mari Loli ao padre mexicano Gustavo Morelos, em 1967. A própria Loli as subscreveu em 1970. O texto apresenta uma referência à Teologia da Libertação, um simulacro de teologia criado para sorrateiramente tomar de assalto a Santa Igreja, enganar os católicos e levá-los a promover o interesses, as ambições e o criminoso esquema de poder comunista. Fidel Castro teria dito: "A teologia da libertação é mais importante para a revolução marxista na América Latina” [1]. E Fidel foi um dos principais promotores, sendo Cuba plataforma fundamental, para a disseminação dessa fraude monstruosa [2]. Cuba que, recentemente, entre os dias 15 e 17 julho, abrigou o XXIV Encontro do Foro de São Paulo, a organização fundada por Lula e Fidel Castro para transformar a América Latina na imensa "Patria Grande" comunista. Mas, vamos às informações de Garabandal: 

“Apesar de continuar a ver a Virgem (durante a primeira noite dos gritos), nós vimos uma grande multidão de pessoas que estavam a sofrer intensamente e gritavam de terror. A MÃE SANTÍSSIMA EXPLICOU-NOS que esta grande tribulação, que não era o Castigo, viria porque TERIA CHEGADO UM TEMPO EM QUE A IGREJA PARECIA ESTAR A PONTO DE MORRER. Ela (a Igreja) iria passar por um terrível sofrimento. NÓS PERGUNTAMOS À VIRGEM O QUE É ESTE GRANDE SOFRIMENTO E ELA DISSE-NOS QUE ERA O ‘COMUNISMO’”.

“Esta primeira revelação sobre o COMUNISMO seria explicada mais tarde pelas videntes. Com a queda do Muro de Berlim em 1989 e com a liberdade dos países do Bloco do Leste que se deu nos anos seguintes, ficamos com a ideia que o comunismo acabou. E isso é o que os meios de comunicação fazem passar. No entanto, nem todos estão convencidos. Há poucos anos, no Canadá, falei com um sacerdote de um país do Leste Europeu que viveu sob o governo comunista. Ele disse-me que os americanos são muito ingénuos em pensar que o comunismo está morto; na sua indústria de hoje, as mesmas pessoas que estavam no poder durante o regime comunista estão ainda nos tempos de hoje. Uma outra pessoa de um país diferente do Leste Europeu, expressou os mesmos sentimentos. O COMUNISMO hoje em dia está infiltrado em forma de REVOLUÇÃO CULTURA, INCLUSIVE NA IGREJA, ATRAVÉS DA TEORIA DA LIBERTAÇÃO [TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO] que pretende retirar a Divindade de Cristo, através do relativismo”.

(*) Fonte. “Apostolado de Garabandal” [www.mensagemdegarabandal.com].

REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. LOREDO DE IZCUE, Julio. “Teologia da Libertação”: Um salva-vidas de chumbo para os pobres. Instituto Plínio Corrêa de Oliveira: São Paulo, 2016. p. 213.

[2]. PACEPA, Ion Mihai. "A KGB criou a Teologia da Libertação" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/01/a-kgb-criou-teologia-da-libertacao.html]. Tradução do Capítulo "Liberation Theology" (15), que é parte do livro "Disinformation": former spy chief reveals secret strategis for undermining freedom, attacking religion, and promoting terrorism (WND Books: Washington, 2013); "As raízes secretas da teologia da libertação". Trad. Ricardo R. Hashimoto. Mídia Sem Máscara, 11 de Maio de 2015 [http://www.midiasemmascara.org/artigos/desinformacao/15820-2015-05-11-05-32-01.html]; "A Cruzada religiosa do Kremlin". Trad. Bruno Braga [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/04/a-cruzada-religiosa-do-kremlin.html]; "Ex-espião da União Soviética: Nós criamos a Teologia da Libertação", ACIDigital, 11 de Maio de 2015 [http://www.acidigital.com/noticias/ex-espiao-da-uniao-sovietica-nos-criamos-a-teologia-da-libertacao-28919/].

Sunday, June 24, 2018

O Centro MAGIS inaciano da juventude.


Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.

I.

E assim foi o “Arraiá do cumpade Inácio”, promovido pelo Centro MAGIS inaciano da Juventude (Fortaleza-CE). Um centro pretensamente “católico” que carrega o nome de Santo Inácio de Loyola, e que se apresenta como “uma obra da Companhia de Jesus no Brasil dedicada à formação e ao acompanhamento da juventude”.

II.
Uma publicação do Centro MAGIS Inaciano da Juventude - CIJ (Fortaleza-CE), que parece não ver conflito algum com os princípios e orientações da Santa Igreja Católica, pois ele mesmo se encarrega de mostrar a todos.
(*) A imagem é de janeiro de 2017.
III.
O anúncio é do próprio Centro MAGIS Inaciano da Juventude – CIJ (Fortaleza-CE): “Missa Afro”. A foto pode dar uma ideia do que acabou sendo feito com a Santa Missa para a “Celebração do Dia da Consciência Negra”.
(*) A imagem é de 2015.

IV. 
O próprio Centro MAGIS Inaciano da Juventude – CIJ (Fortaleza-CE) tornou públicas as imagens do “EAJ – II Módulo: Técnicas de Oratória e Formação de Grupos”. Entre elas aparece esta aqui, que não apresenta legenda ou descrição explicativa para que o público possa saber do que se trata.
(*) A imagem é de 2015.
V.
O Centro MAGIS Inaciano da Juventude (CIJ) fez o registro do Encontro Nacional de Juventudes e Espiritualidade Libertadora e exibiu para o público nas redes sociais as participações de Frei Betto e Leonardo Boff – os “apóstolos” da Teologia da Libertação e do Foro de São Paulo [1]. Confira as imagens. O evento, que aconteceu em 2014, também contou com a participação de outro comunista – Marcelo Barros – e com o envolvimento da Faculdade Católica de Fortaleza (CE) [2].
VI.
O Centro MAGIS Inaciano da Juventude (CIJ) (Fortaleza-CE) apresentou para o público como foi a Santa Missa na celebração de Natal de 2015, e como a Sagrada Eucaristia, como o próprio Corpo e o Sangue de Cristo foram “ministrados” aos católicos.
(*) As imagens são de 22 de dezembro de 2015.
VII.
A Celebração da Santa Missa que o Centro MAGIS Inaciano da Juventude (CIJ) (Fortaleza-CE) divulgou nas redes sociais em um contexto descrito como “exercícios espirituais”.
(*) As imagens são de 2014.
VIII.


E tem mais sobre os tais “exercícios espirituais” do Centro MAGIS Inaciano da Juventude (CIJ). As imagens foram publicadas pelo próprio Centro (Fortaleza-CE) (2014).
IX.
Na Liturgia da Palavra de hoje, 20 de junho, Jesus alerta os seus discípulos: “Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles” [...] “quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas” (Mt. 6, 1-2). Mas, em 2014, o Centro MAGIS Inaciano da Juventude (CIJ) resolveu divulgar para o público imagens de sua “ação social”, uma iniciativa em favor do... do... MST – da facção criminosa do PT e do Foro de São Paulo [3]. Teve placa com referência ao psicopata sanguinário Che Guevara, tendo como pano de fundo uma imagem de Nossa Senhora de Fátima – que em Portugal tentou alertar o mundo sobre os males do Comunismo; uma pintura dedicada a Olga Benário, agente da KGB; bandeiras das CEB’s – ninhos da Teologia da Libertação -, do MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores), do Levante Popular da Juventude, da PJ (Pastoral da Juventude), CPT, Ligas Camponesas, etc.; e um cesto com uma “bíblia” que expressa a “catequese” ali dominante e definitivamente contrária aos princípios e orientações da Santa Igreja Católica: “O Manifesto Comunista”, escrito pelo satanista Karl Marx [4].
A “ação social” com os sem terra aconteceu na cidade de “Russas”, município do Ceará. Confira as imagens.
X.
O Centro MAGIS Inaciano da Juventude (CIJ) compartilha com o público o pensamento de James Martin, o “padre” que insiste em pregar a ideologia de gênero LGBT-gayzista contra a Santa Igreja Católica. No texto citado, ele inclusive menciona o “Catecismo” com aquela batida carga de vitimização, mas não cita este trecho: "A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. Sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. APOIANDO-SE NA SAGRADA ESCRITURA, QUE OS APRESENTA COMO DEPRAVAÇÕES GRAVES, A TRADIÇÃO SEMPRE DECLAROU QUE 'OS ATOS DE HOMOSSEXUALIDADE SÃO INTRINSECAMENTE DESORDENADOS'. SÃO CONTRÁRIOS À LEI NATURAL. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. EM CASO ALGUM PODEM SER APROVADOS" (CIC. 2357).
O “padre” James Martin, que já promoveu uma organização para a transexualidade infantil [5] – o que a Associação Americana de Pediatras classificou como um "abuso infantil", por fazer com que crianças acreditem que se trata de um comportamento “normal” [6], e que o Doutor Paul R. McHugh, ex-chefe de Psiquiatria do Hospital John Hopkins (EUA), definiu como um transtorno mental [7]. James Martin, que reivindicou para os casais homossexuais a permissão para o beijo gay no sinal da paz dentro da Santa Missa, e que recentemente esteve envolvido com o desfile blasfêmico e satânico do “Met Gala”, em Nova Iorque [8].
REFERÊNCIAS.
[1]. Cf. “Os ‘apóstolos’ do Foro de São Paulo” [http://b-braga.blogspot.com/2016/06/os-apostolos-do-foro-de-sao-paulo.html].
[2]. Cf. “A Faculdade Católica de Fortaleza e o ‘apostolado’ comunista”, nota V [http://b-braga.blogspot.com/2018/05/a-faculdade-catolica-de-fortaleza-e-o.html].
[3]. Cf. "O Foro de São Paulo, o MST e a revolução "comuno-bolivariana" no Brasil. Fraudes, suicídios, recrutamento de jovens e crianças, e eleições presidenciais" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-foro-de-sao-paulo-o-mst-e-revolucao.html]; "O MST e as FARC" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-e-as-farc.html];"O MST, as FARC e o recrutamento de brasileiros: pelo depoimento de Luiz Inácio 'O Barba' da Silva" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-as-farc-e-o-recrutamento-de.html]; "MST - acordo bolivariano, doutrinação e guerrilha" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/mst-acordo-bolivariano-doutrinacao-e.html]; "Não sabe de nada, inocente?" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/nao-sabe-de-nada-inocente.html]; "A Escola do MST, o acordo bolivariano e o treinamento dos sem-terra" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/a-escola-do-mst-o-acordo-bolivariano-e.html].
[4]. Cf. WURMBRAND, Richard. "MARX & SATAN". [https://www.facebook.com/blogbbraga/photos/a.190586071090013.1073741828.184797238335563/763324100482871/?type=3&theater] O "pai" do comunismo e seu culto a Satanás.
. Entrevista do falecido Arcebispo americano Fulton Sheen com Richard Wurmbrand, autor do livro "Marx & Satan". No minuto [10:35], Wurmbrand observa que Karl Marx pertencia a uma "igreja" satanista de Londres, mostra como este "culto" macabro está na base dos ideais e ambições do "pai" do Comunismo e, consequentemente, na base dos regimes erigidos sobre esses mesmos ideais e ambições [https://www.facebook.com/blogbbraga/posts/764406793707935].
. O testemunho de Richard Wurmbrand sobre o período em que foi preso e torturado pelo regime comunista na Romênia por ser cristão [https://www.facebook.com/blogbbraga/posts/764255970389684].
[7]. Cf. Cf. "Transgender Surgery Isn't the Solution". Wall Street Journal, 13 de maio de 2016 [https://www.wsj.com/articles/paul-mchugh-transgender-surgery-isnt-the-solution-1402615120].
ARTIGO RECOMENDADO.
WILLIAMS, Brian. “Por que os Bispos devem condenar a perigosa ponte do padre James Martin?” [http://www.obramissionaria.com.br/por-que-os-bispos-devem-condenar-perigosa-ponte-do-padre-martin/].

Sunday, June 17, 2018

Revelação: a Irmandade Muçulmana foi criada pela Maçonaria.


Corrispondenza Romana, 07 de junho de 2018.
Tradução. Bruno Braga.


É assombroso o que foi publicado na revista World in Review: que John Coleman, ex-agente do serviço secreto britânico, definiu a Irmandade Muçulmana como uma ordem criada em segredo pela Maçonaria inglesa com a ajuda de Thomas Edward Lawrence (conhecido como Lawrence d’Arábia), Bertrand Russell, St. John Philby, E. G. Browne e Arnold Toynbee.
Os Irmãos Muçulmanos, isto é, Ikhwan al-mouslimine, eram conhecidos por Hassan al-Banna (na foto, o avô de Tariq Ramadan e Hani Ramadan), que nasceu no dia 14 de outubro de 1906, falecendo em 12 de fevereiro de 1949. Com a investigação dos arquivos foi possível descobrir como al-Banna recebeu 500 libras esterlinas da poderosa “Companhia do Canal”: segundo ele, esse dinheiro teria pertencido de direito ao povo egípcio, assim como todos os bens da Companhia. No entanto, mais tarde, passou a negar o recebimento desse apoio financeiro.
Hassan al-Banna sempre admitiu ter sido fortemente influenciado pelo pensamento do seu predecessor Jamal ad-Din al-Afghani e Muhammad Abdu, Mufti de al-Azhar, ambos grandes iniciados nas lojas maçônicas francesas e inglesas, e capazes de condicionar profundamente as opiniões no Egito da época. Ademais, os dois teriam aderido à Maçonaria, como confirmou o historiador Helmi Nimnim, seu compatriota, em uma nova biografia de Sayyid Qutb, teórico do jihad dentro da organização da Irmandade Muçulmana. Esse livro reproduz um artigo assinado por Sayyid Qutb com o título “Por que passei a ser maçom?”, publicado em 23 de abril de 1943 no diário al-Taj al-Masri (“A coroa do Egito”), editado pelos aventais. Explica ter aderido às lojas por ter encontrado nelas “um remédio para as feridas da humanidade, liguei-me a essa porta para nutrir a alma de filosofia e sabedoria. E, por fim, para ser um muyahidín, um combatente junto dos combatentes, para trabalhar ao lado daqueles que trabalham”.  
Muitos autores deixaram em evidência as semelhanças entre as cerimônias de iniciação das Irmandades, dos Irmãos Muçulmanos e da Maçonaria. Na época, as lojas egípcias estavam diretamente controladas pelo serviço secreto britânico. O rei Farouk era membro das lojas.  
Coleman, que permitiu no passado levantar o véu do segredo e do mistério sobre numerosos casos de manipulação e interferência, organizados por forças ocultas e pelo escritório mundialista [globalista] (do Clube de Roma, Fundação Giorgio Cini, Forbes Global 2000, Colóquio Interreligioso de Paz ao Instituto Tavistock), tornou conhecidos esses detalhes, certamente não indiferentes.

Sunday, June 10, 2018

A “romaria” comunista ao Santuário Nacional de Aparecida.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.

I.
Os delinquentes comunistas fizeram mesmo uma “romaria” até Aparecida para exigir a liberdade do bandido Lula. Realizaram-na mesmo após o Santuário afirmar que “se coloca contra toda e qualquer utilização do seu espaço para fins políticos e ideológicos” [1].
Os marginais, contudo, não afrontaram somente uma determinação do Santuário. Eles afrontaram e ofenderam a própria Virgem Maria, que em Fátima tentou alertar o mundo sobre os males do comunismo. Mais. Os delinquentes profanaram o Santuário de Aparecida, a Casa da padroeira e Rainha do Brasil (cf. imagens). Um desprezo total para com a centralidade de Cristo e da Santa Eucaristia na Santa Missa, uma prática novamente idolátrica de caráter satânico para louvar o chefe da quadrilha que tomou de assalto o país [2].   
Fica claro mais uma vez que para essa gente – e para os “apóstolos” da Teologia da Libertação que os “catequisam” e “abençoam” - não importa as verdades da fé, a Igreja com seus princípios e orientações, Nossa Senhora, a Santa Missa, Sagrada Eucaristia. Não importa nada disso. O que interessa é o esquema de poder criminoso para o qual militam e trabalham: a “Patria Grande” comunista.
II.
Mais imagens do vergonhoso ato de traição contra Nosso Senhor Jesus Cristo, contra a Santíssima Virgem Maria e a Santa Igreja Católica realizado sobre o altar do Santuário de Aparecida.


Os católicos esperam uma retratação da Arquidiocese de Aparecida e a celebração de uma Santa Missa em desagravo a todos os sacrilégios realizados com relação à idolatria do bandido Lula e pela militância comunista na Celebração Eucarística presidida pelo padre João Batista de Almeida.
III.
“’ROMARIA PRÓ-LULA’ A APARECIDA OCORREU E GEROU POLÊMICA ENTRE CATÓLICOS NAS REDES”.
[...] “não afrontaram somente uma determinação do Santuário. Eles afrontaram e ofenderam a própria Virgem Maria, que em Fátima tentou alertar o mundo sobre os males do comunismo” [...] “Mais. Os delinquentes profanaram o Santuário de Aparecida, a Casa da padroeira e Rainha do Brasil. Um desprezo total para com a centralidade de Cristo e da Santa Eucaristia na Santa Missa”. [...]
IV.
Dos sacrilégios realizados sobre o santo altar do Santuário Nacional de Aparecida.
Sim, os católicos ficaram com razão escandalizados ao verem o nome de Lula incluído na “oração dos fiéis”, que pedia “para que Nossa Senhora Aparecida o abençoe” e “para que o quanto antes ele possa estar entre nós”, “construindo” um “projeto de país”... Um “projeto de país”!  



No entanto, chega a ser ainda mais estarrecedor ver o padre João Batista de Almeida erguer o Cristo no Seu Corpo e Sangue, e “ofertar” – diz o próprio celebrante, “com Jesus” – “todas as vidas que trouxemos para este momento de oração, para esta Eucaristia, DE MODO ESPECIAL por todos aqueles pelos quais foram pedidas AS NOSSAS ORAÇÕES” – o que é uma referência óbvia ao bandido Lula, mencionado nominalmente na “oração dos fiéis”.

São mais imagens do ato macabro de traição contra Nosso Senhor Jesus Cristo, contra a Santíssima Virgem Maria e a Santa Igreja Católica. Um ato de tamanha gravidade que já não se espera da Arquidiocese de Aparecida uma simples “nota de esclarecimento” e de retratação, mas a celebração de uma Santa Missa em reparação a todas as ofensas e sacrilégios realizados para a idolatria do chefe da facção comunista que tomou de assalto o país.
V.
Dos preparativos para a invasão comunista do Santuário Nacional de Aparecida e para os sacrilégios realizados sobre o santo altar da Basílica. A imagem pode a princípio apresentar medidas óbvias de organização. Mas, ela deixa em evidência que a Santíssima Virgem Maria foi apenas um “instrumento” utilizado para uma encenação. Para fingir a “piedade” e a “fé” de uma organização criminosa que se disfarça, apresentando-se como “povo”. Para dissimular uma “crença” na intercessão por um bandido preso. Está aí o que para o PT – uma facção “batizada” pela Teologia da Libertação - significa Nossa Senhora da Imaculada Conceição Aparecida: um simples mas útil objeto de propaganda política comunista.
VI.
Leia abaixo a “nota de reparação” assinada pelo Arcebispo da Arquidiocese de Aparecida e pelo padre João Batista de Almeida [3]. É digno e louvável o reconhecimento do erro e o pedido de perdão. Contudo, a “nota de reparação” não basta. O que aconteceu no Santuário Nacional de Aparecida é de tamanha gravidade que é preciso celebrar uma Santa Missa em REPARAÇÃO a todas as ofensas a Nosso Senhor Jesus Cristo e à Sua Mãe Santíssima que foram realizados para a idolatria do chefe da facção comunista que tomou de assalto o país e a própria Igreja no Brasil.
VII.



A arruaça comunista no Santuário Nacional de Aparecida. Os delinquentes invadem a Casa da Mãe de Deus e Rainha do Brasil aos gritos e exigem com os punhos erguidos a liberdade do chefe da facção criminosa. Do padre João Batista de Almeida recebem uma “saudação muito carinhosa, muito especial”, e a “oferta” de um sacrilégio realizado sobre o santo altar.
Que a Arquidiocese de Aparecida não fique apenas em uma “nota de reparação” [4]. A gravidade do ocorrido exige mais que um pedido de perdão ao “povo brasileiro” e aos “devotos de Nossa Senhora”. É preciso celebrar uma Santa Missa para reparar as ofensas cometidas contra Nosso Senhor Jesus Cristo e a Sua Mãe Santíssima – são Eles os verdadeiros ofendidos.  
VIII.
O Arcebispo de Aparecida precisa ordenar a celebração de uma Missa em desagravo a todas as profanações e sacrilégios cometidos no Santuário Nacional de Aparecida. Caso contrário, os católicos ficarão ainda mais desconfiados, e infelizmente desconfiados da fé desses pastores, se eles de fato sabem com o que estão lidando.  
Profanações e sacrilégios não são resolvidos com uma “nota de reparação” [5]. Concedendo a ela a benevolência da melhor interpretação, sim é digno reconhecer o erro e pedir perdão – inclusive para o padre João Batista de Almeida, que presidiu a Missa em favor do bandido comunista e que assina o documento.  
Mas, observe que a tal “nota” se dirige “ao povo brasileiro”, aos “devotos de Nossa Senhora Aparecida” e “a todos que se sentiram ofendidos” com a celebração. Ela trata apenas do domínio humano – e faz com que os católicos suspeitem de que o seu propósito é apenas resguardar a reputação pública dos envolvidos. As profanações e sacrilégios, no entanto, foram ofensas contra o Céu, contra as pessoas do Cristo e de Sua Santíssima Mãe – e é a celebração de uma Missa que repara ofensas de tamanha gravidade. A realização da Santa Missa também seria própria para que o conjunto dos católicos se convença de que esses pastores ainda podem gozar de credibilidade, pois demostram que sabem – ou que enfim tomaram ciência – do que de fato é uma Missa, e que reconhecem as pessoas e a realidade do Cristo e de Sua Mãe.
Com benevolência é possível acolher a “nota de reparação”, mas o selo definitivo do arrependimento é dado com a celebração da Santa Missa. Nela as profanações e sacrilégios foram cometidos, nela as profanações e sacrilégios serão reparados. Na atualização do sacrifício que redimiu os nossos pecados e que é oferta verdadeiramente eficiente para reparar tudo o que aconteceu no Santuário Nacional de Aparecida.
Concluo com uma aparição de Nossa Senhora na Hungria - a “Rainha Vitoriosa do Mundo” - que levou o Cardeal Mindszenty a criar o movimento de reparação. O Cardeal Mindszenty, que foi encarcerado pelos comunistas e – na prisão – recebeu a visita extraordinária do Padre Pio para a celebração da Santa Missa. A mesma Santa Missa que no Santuário de Aparecida foi violada para enaltecer e louvar o chefe da facção comunista que tomou de assalto o Brasil:
“A serpente, que se enrolava ao redor do globo da terra, estava com a cabeça totalmente esmagada sob o pé direito da Santíssima Virgem. Sua alegria, como uma luz, se irradiava em direção às três Pessoas da Trindade Divina, que estavam acima. Da terra convertida, a luz das graças retornava à Santíssima Virgem. Então, Ela voltou-se para mim, no Seu amor maternal, e bem devagar disse-me o seguinte: REPARAÇÃO! REPARAÇÃO! REPARAÇÃO! SOMENTE POR ELA VOCÊS SE TORNARÃO DIGNOS DA GRAÇA!” [6].
IX.
Uma “curiosidade” sobre o padre João Batista de Almeida, que ontem assinou uma “nota de reparação” na qual pede “o perdão de todos que se sentiram ofendidos” pela forma como conduziu no Santuário Nacional de Aparecida a Missa em favor do bandido comunista Lula [7].
Em 2017, João Batista – como reitor do Santuário – conduziu a imagem de Nossa Senhora Aparecida à China. Porém, ele não a levou para abençoar a Igreja “subterrânea”, para dar força e coragem aos que conservam a sua fidelidade à Santa Igreja Católica, mesmo com todas as perseguições promovidas pelo regime comunista. Regime que criou uma Associação Patriótica para ser a igreja “oficial” do país. Não. João Batista foi à China para “entronizar” a Mãe de Deus em um templo budista e rebaixá-la a diversos outros mitos pagãos.
Que as autoridades eclesiásticas – e o próprio padre João Batista de Almeida, reitor do Santuário de Aparecida - se dignem a mais que uma “nota de reparação”. Que celebrem a Santa Missa para reparar todas as ofensas e sacrilégios que foram cometidos contra o Sagrado Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria, para reparar a traição macabra contra a Santa Igreja Católica.      
X.
Na Missa das 18h, provavelmente de ontem, o padre João Batista de Almeida resolveu dar as suas explicações sobre o espetáculo macabro de sacrilégios que conduziu sobre o altar do Santuário Nacional de Aparecida. Ele acabou, no entanto, se complicando ainda mais.



Bom, se a “romaria” comunista foi cuidadosamente preparada, e em conjunto com os militantes do “Movimento Fé e Política” de Minas Gerais – como o próprio João Batista confessa –, ora, qual a razão da “nota” emitida pelo Santuário, que se posicionava “contra toda e qualquer utilização do seu espaço para fins políticos e ideológicos”? “Nota” que era bastante clara na afirmação de “não estar organizando ou convidando pessoas para se mobilizarem em favor deste ou daquele político” [8]. Era apenas uma forma de acalmar a indignação dos católicos que tomaram ciência da convocação da “romaria”? Fingir para continuar tramando na surdina toda a aberração?
O padre João Batista diz que foram “estabelecidos” certos “limites”. Certamente, entre “o que que podia, o que não podia” não se excluiu a “oração” por um bandido comunista. Aliás, se são as “romarias” que determinam a oração - como “esclarece” o reitor do Santuário -, então se pode rezar por qualquer um, proclamar o seu nome sobre o altar, não importando o que ele prega, para o que ele trabalha ou que crime tenha cometido? É simplesmente absurdo.
O padre João Batista ainda tenta se explicar, dizendo que não foi ele que “fez” a “prece” específica para Lula. Sim, pode não ter sido ele que a elaborou, e não foi ele mesmo que a leu na “oração dos fiéis”. No entanto, o padre foi no mínimo conivente, pois não manifestou nenhuma contrariedade.
Mas não foi só isso. E a “saudação muito carinhosa, muito especial, a todos vocês que vieram rezar por Lula”? [9]. E a “oferta” que o padre João Batista de Almeida fez, erguendo o próprio Cristo no Seu Corpo e Sangue – “oferta”, disse ele, “com Jesus” – de “todas as vidas que trouxemos para este momento de oração, para esta Eucaristia, DE MODO ESPECIAL por todos aqueles pelos quais foram pedidas AS NOSSAS ORAÇÕES”? [10] Uma referência óbvia ao bandido Lula, pois o seu foi o único nome citado na “oração dos fiéis”.
Para que o padre João Batista não acuse “as pessoas que divulgam pela internet” de publicar “do jeito que quer e aquilo que quer”, assista ao vídeo. Está tudo muito bem registrado, com as “explicações” do reitor do Santuário e logo em seguida aquilo que ele mesmo fez sobre o altar do Santuário Nacional de Aparecida.
Muito bem. Diante das imagens, como é possível acreditar na sinceridade da “nota de reparação” emitida pelo Santuário de Aparecida? Como acreditar em um arrependimento sincero do padre João Batista, que a assinou e pediu perdão? Como acreditar, se ele se faz de vítima e pensa que não fez nada de errado? O padre João Batista se põe a rezar por todos as pessoas que estão com um “sentimento de indignação”, “chateadas”; mas não menciona os maiores ofendidos: Nosso Senhor Jesus Cristo e a Santíssima Virgem Maria. Será que não passou pela sua cabeça rezar uma Missa em desagravo a todas as profanações e sacrilégios cometido no Santuário? É uma das coisas talvez que mais cause indignação, um padre que não sabe o que fez e nem o que faz: este é o reitor da Casa da padroeira e Rainha do Brasil.    
XI.
E não foi apenas sobre o altar [11], o padre João Batista de Almeida – reitor do Santuário Nacional de Aparecida – também concedeu uma entrevista para tentar explicar os sacrilégios cometidos sobre o altar da Basílica [12]. Uma empulhação total.
O padre repete inúmeras vezes - “intolerância”, “intolerância”, “intolerância” – e a coloca como causa de toda a repercussão do episódio que chocou os católicos. Na cabeça do padre João Batista, “intolerantes” são os que denunciam a profanação e o sacrilégio; para a facção criminosa que é responsável e toma parte neles, nada, nenhuma palavra de repreensão - para eles, um destrambelhado privilégio da “evangelização”. Sim, o reitor disse que fez tudo “por uma missão evangelizadora”! Mas que tipo de evangelização se faz com uma militância que tem por objetivo único a manifestação política? Que evangelização é essa com a qual se profana uma Basílica, viola a Liturgia e se insulta o Cristo e ofende a Sua Santíssima Mãe? Que tipo de evangelização se pretende com uma prece em favor de um bandido condenado pela justiça, que chefia uma facção criminosa de ideologia condenada pela Santa Igreja Católica e que trabalha para a realização de uma agenda de engenharia social e comportamental abertamente contrária aos seus princípios e orientações? O padre João Batista de Almeida pretende “evangelizar” a militância comunista assim, com uma “saudação muito carinhosa, muito especial, a todos vocês que vieram rezar por Lula”? [13]. Ele quer evangelizar, levantando o Corpo e o Sangue de Cristo por um bandido que, longe de demonstrar arrependimento, finge ser “injustiçado”? [14] Ora, esse tipo de evangelização só é possível no “catecismo” comunista da Teologia da Libertação.
Mas o padre João Batista ainda diz que não fez nada “por convicção política, senão estaria totalmente contrário àquilo”. Bom, eu não percebi nenhum sinal de contrariedade no reitor do Santuário. E é importante que se diga mais uma vez: não se trata de crítica meramente política. Não! É preciso que o reitor compreenda de uma vez por todas que é o caso de defender – não este ou aquele lado – mas a Igreja, meu Deus do Céu...
O padre João Batista esclarece que a “oração dos fiéis” – e que tanta indignação causou entre os católicos - “foi uma concessão dentre tantas coisas que a romaria [do PT] pedia”. Concessão?! Faz-se com a Santa Missa uma negociata? E com uma facção criminosa? Mas que brincadeira é essa? Leia a entrevista e você não encontrará uma só menção à “nota” publicada pelo Santuário, posicionando-se “contra toda e qualquer utilização do seu espaço para fins políticos e ideológicos”, afirmando claramente “não estar organizando ou convidando pessoas para se mobilizarem em favor deste ou daquele político” [15]. Nada. Enquanto muitos católicos inocentemente confiavam na autoridade afirmada na “nota”, o padre estava negociando a Santa Missa com os comunistas, fazendo “concessões” ao PT. Como não pensar em fingimento e dissimulação?
E a “nota de reparação”? Fica claro na entrevista que também foi uma “concessão”. Sim, o padre João Batista não expressa nenhuma convicção no pedido de perdão. Parece aquela atitude indolente, de quem pede desculpas apenas para ver se dá um basta na confusão. Como o menino travesso que é repreendido e se arrepende com aquele “tá, tá, tá” de ombros e volta a bagunçar. “Achamos por bem pedir perdão pelo constrangimento”. Mas não assume nada, não reconhece a profanação, não se envergonha dos sacrilégios. Para o padre João Batista não há nada de errado, é tudo “intolerância”.
A entrevista é simplesmente medonha. E é este o pastor que está à frente da Casa da padroeira e Rainha do Brasil.
(*) Na imagem, o padre João Batista aparece “evangelizando” a militância comunista, na homilia em que fez uma “saudação muito carinhosa, muito especial, a todos vocês que vieram rezar por Lula”.
XII.
O padre João Batista de Almeida fez tudo por uma “missão evangelizadora”, e com a “obrigação de receber todos” no Santuário Nacional de Aparecida – inclusive, negociando com eles a Santa Missa [16].
Eis o MST, acolhido pelo reitor do Santuário com uma “saudação muito carinhosa, muito especial, a todos vocês que vieram rezar por Lula” [17]. A milícia do PT e do Foro de São Paulo ergue a bandeira dos sem-terra, preparando-se para a profanação da Basílica e a “celebração” dos sacrilégios. Facção terrorista, treinamento e parceria com narco-guerrilheiros, fraudes, suicídios, adestramento de militância, recrutamento de brasileiros, jovens e crianças [18].   
É preciso repetir mais uma vez, pois a “nota de reparação” publicada pelo Santuário de Aparecida não passa de mais uma farsa [19]. Que as autoridades eclesiásticas tratem de celebrar a Santa Missa para reparar todas as ofensas que foram cometidas contra Nosso Senhor Jesus Cristo e a sua Santíssima Mãe, para reparar a traição macabra contra a Santa Igreja Católica.
XIII.
Você conhece o personagem em destaque na foto? É Renato Simões, que participou da “romaria” comunista no Santuário Nacional de Aparecida. Trata-se de um entusiasta da Teologia da Libertação que, ostentando um anel de tucum no dedo, impulsionou a sua carreira política com a militância nas CEB’s.
Em 2014, - como deputado federal pelo PT – Simões afirmou destemido e em plena Câmara que o Foro de São Paulo mandava no Brasil [20]. Sabe com o que ele trabalha agora? Não? Ora, ele é um dos coordenadores do “Plano Lula de Governo”. Sim! O “plano de governo” do bandido que está preso e que ainda pretende se candidatar à Presidência da República [21].
Talvez soe agora mais significativa aquela prece “pelo ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva” que tanto escandalizou os católicos: “para que Nossa Senhora Aparecida o abençoe” e “para que o quanto antes ele possa estar entre nós”, “construindo” um “projeto de país” [22].
E fica a dúvida. O padre João Batista de Almeida disse que preparou a “romaria” comunista com o Movimento Fé e Política de Minas Gerias [23] - e confessou ter negociado a Santa Missa com o PT [24]. Será que Renato Simões participou dessa maquinação?     
XIV.
Uma presença “ilustre” na “romaria” comunista: Lurian – filha de Lula, do bandido pelo qual se profanou o Santuário Nacional de Aparecida e pelo qual o padre João Batista de Almeida negociou a Santa Missa com o PT [25], conduzindo sobre o altar da Basílica os sacrilégios que tanto escandalizaram os católicos.
Na imagem, Lurian saúda a militância para depois fazer pose no Santuário para uma foto.  
XV.
Ora, se “romaria” comunista ao Santuário Nacional de Aparecida foi realizada de forma tão “inocente” – como quer fazer parecer o padre João Batista de Almeida, reitor do Santuário que negociou a Santa Missa com o PT e que conduziu as profanações e sacrilégios cometidos sobre o altar em favor do bandido Lula [26] – como é que o presidente do Partido dos Trabalhadores de São Paulo concedeu até entrevista para uma representante da Rede Globo “golpista” dentro da Basílica? Luiz Marinho, réu por improbidade administrativa e nepotismo, acusado de fraudes em licitações, desvios de recursos – e do “Museu Lula”! -, objeto de delações sobre caixa 2 nas investigações da Operação Lava Jato. Luiz Marinho, candidato do PT para o governo de São Paulo.
XVI.
Mais uma vez: se “romaria” comunista ao Santuário Nacional de Aparecida foi realizada de forma tão “inocente” – como quer fazer parecer o padre João Batista de Almeida, reitor do Santuário – o que estava fazendo em local tal privilegiado em volta do altar o ex-senador petista Eduardo Suplicy? O padre João Batista tem o dever de explicar se ele, Eduardo Suplicy, assim como Renato Simões - um dos coordenadores do “Plano Lula de Governo” [27] e Luiz Marinho [28] – presidente do PT de São Paulo e candidato do partido ao governo do estado -, participaram da negociata escabrosa com o Partido dos Trabalhadores para a realização das profanações e sacrilégios em favor do bandido Lula dentro da Casa da Santíssima Virgem Maria [29].
XVII.

Por falar em Eduardo Suplicy ... No retorno para casa, o vereador de São Paulo, e que é pré-candidato do PT ao Senado, afirma que a “romaria” comunista ao Santuário Nacional de Aparecida foi muito “bem-sucedida”. E, claro, ele rende todos os elogios ao padre João Batista de Almeida, utilizando o seu “sermão” – e quem não sabia que isso iria acontecer?! – para reforçar o discurso vitimista do bandido Lula e de sua facção criminosa. O mais escabroso: Suplicy narra a aberração como se todos os católicos presentes na Basílica tivessem concordado com o espetáculo macabro de profanações e sacrilégios cometidos sobre o altar. Novamente: quem não sabia que isso iria acontecer?! 
XVIII.
. Renato Simões: coordenador do “Plano Lula de Governo”, plano de governo do bandido comunista que está preso e ainda sonha ser candidato à Presidência da República.
. Luiz Marinho: presidente do PT de São Paulo e candidato do partido ao governo do estado.
. Eduardo Suplicy: vereador do PT em São Paulo e pré-candidato do partido ao Senado Federal.
E agora Paulo Teixeira, deputado federal do PT. Confira a imagem, na qual ele aparece ao lado de Luiz Marinho.
E o padre João Batista de Almeida – reitor do Santuário Nacional de Aparecida que conduziu as profanações e sacrilégios sobre o altar da Basílica – quer que os católicos acreditem que foi uma simples “romaria”... Sim, foi uma “romaria”: uma “romaria” comunista que ele mesmo confessou ter negociado [30].
XIX.
E teve mais um importante personagem na “romaria” comunista ao Santuário Nacional de Aparecida: Gilberto Carvalho [31]. Ele não só a organizou como esteve presente [32] – e, claro, o padre João Batista de Almeida deve explicar se foi com o petista que negociou a Santa Missa em que se idolatrou o bandido Lula [33].
Gilberto Carvalho. Ex-seminarista, entusiasta da Teologia da Libertação que militou dentro das CEB’s. Participou ativamente da Pastoral Operária e tornou-se Ministro do então Presidente Lula e da despachante do Foro de São Paulo, Dilma Rousseff. Trabalhou como intermediário nas relações dos governos comunistas com a CNBB.
O “romeiro” Gilberto Carvalho esteve envolvido diretamente no caso Celso Daniel, o misterioso assassinato do prefeito de Santo André (SP). Ele teria confessado ao então Secretário Nacional de Justiça – Romeu Tuma Jr: “Eu te entendo. Veja, Tuma, o quanto fui injustiçado no caso Celso Daniel. Não aceito essa injustiça até hoje. Imagina você que EU ERA O BRAÇO DIREITO DO CELSO, SEU HOMEM DE CONFIANÇA. Quando saiu aquela história de que havia desvios na prefeitura, eu, na maior boa-fé, procurei a família dele para levar um conforto. Fui dizer a eles que o Celso nunca desviou um centavo para o bolso dele, e que TODO O RECURSO QUE ARRECADÁVAMOS EU LEVAVA PARA O ZÉ DIRCEU, POIS ERA PARA AJUDAR O PARTIDO NAS ELEIÇÕES” [34].
Gilberto Carvalho. Investigado pela Operação Lava Jato e denunciado pelo Ministério Público Federal por corrupção passiva, recebimento de propina. A Liturgia de hoje, 01 de junho, descreve perfeitamente nas palavras do próprio Cristo o tenebroso episódio de profanações e sacrilégios cometidos no Santuário de Aparecida com a “romaria” comunista: “Não está porventura escrito: A minha casa chamar-se-á CASA DE ORAÇÃO para todas as nações? MAS VÓS FIZESTES DELA UM COVIL DE LADRÕES” [35].
XX.
A militância LGBT-gayzista também esteve na “romaria” comunista para “rezar” – e, claro, levantar a bandeira – pelo bandido Lula no Santuário Nacional de Aparecida.
A Santa Missa para reparar a profanação e os sacrilégios realizados sobre o altar da Basílica, para reparar a traição explícita e desavergonhada contra a Santa Igreja Católica e as ofensas contra o próprio Cristo e a Sua Mãe Santíssima parece mesmo impensável para as autoridades eclesiásticas do Santuário – que tramaram e tomaram parte nesse espetáculo macabro [36].

REFERÊNCIAS.
[2]. Cf. “O ritual comunista e o caráter satânico da idolatria a Lula” [http://b-braga.blogspot.com.br/2018/04/o-ritual-comunista-e-o-carater-satanico.html].
[4]. Cf. Idem.
[6]. Cf. ALMAY, Maria Dias. “Maria”: Rainha Vitoriosa do Mundo. Edições Rainha Vitoriosa do Mundo: São Carlos – SP, 2012. p. 85.
[18]. Cf. "O MST e as FARC" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-e-as-farc.html]; "O MST, as FARC e o recrutamento de brasileiros: pelo depoimento de Luiz Inácio 'O Barba' da Silva" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-as-farc-e-o-recrutamento-de.html]; "MST - acordo bolivariano, doutrinação e guerrilha" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/mst-acordo-bolivariano-doutrinacao-e.html]; "Não sabe de nada, inocente?" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/nao-sabe-de-nada-inocente.html]; "A Escola do MST, o acordo bolivariano e o treinamento dos sem-terra" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/a-escola-do-mst-o-acordo-bolivariano-e.html]; "O Foro de São Paulo, o MST e a revolução "comuno-bolivariana" no Brasil. Fraudes, suicídios, recrutamento de jovens e crianças, e eleições presidenciais" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-foro-de-sao-paulo-o-mst-e-revolucao.html].
[20]. Cf. “O Foro de São Paulo governa o Brasil” [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/03/o-foro-de-sao-paulo-governa-o-brasil.html].
[25]. Idem.
[30]. Cf. Idem.
[34]. Cf. TUMA JR., Romeu. “Assassinato de reputações”: um crime de estado. Topbooks: Rio de Janeiro, 2013. p. 489.