Thursday, March 09, 2017

A seita maçônica na política francesa.

Bruno Braga.
Notas e material para estudo publicados no Facebook.


I.

François Hollande: Presidente COMUNISTA - e "iniciado" - da França visita sede do GRANDE ORIENTE e afirma que a República tem uma "DÍVIDA" com a MAÇONARIA. Com a seita satânica que, sob o lema da "liberdade, igualdade e fraternidade", promoveu uma revolução sanguinária no país.  

Leia: "François Hollande visita el Gran Oriente y proclama la «deuda» de la República con la masonería". Religión en Libertad, 27 de fevereiro de 2017 [http://www.religionenlibertad.com/franois-hollande-visita-gran-oriente-proclama-deuda--55163.htm].

II.

França. Aquela que um dia foi considerada "a filha predileta da Igreja" se degrada cada vez mais. De uma revolução sanguinária e anti-cristã, promovida sob o lema maçônico da "liberdade, igualdade e fraternidade", aos dias de hoje - presidida por um comunista "iniciado" na seita satânica que há tempos dirige o poder legislativo. Veja a confissão - claro, com o enaltecimento de supostos méritos - do conservador do Museu da Maçonaria: 
"Entre 1880 e 1914, a maior parte das grandes leis que estabelecem as bases da nossa sociedade democrática moderna (liberdade de imprensa, liberdade de associação, início da proteção social, escola laica e gratuita) FORAM CONCEBIDAS PRIMEIRO E PROMOVIDAS DEPOIS PELAS LOJAS" [1].
É preciso recordar a censura que o governo comunista de François Hollande pretende impor na internet, punindo com multa e até prisão os administradores e proprietários de sites contrários ao aborto [2]. E observar o empenho da Maçonaria - com o seu braço no legislativo francês - na promoção do "direito" de matar crianças inocentes e da ideologia de gênero LGBT-gayzista [3].

III.

França - aquela que um dia foi a "filha predileta da Igreja", violentada por comunistas e maçons: 

"FUNDAÇÃO SOCIALISTA [COMUNISTA] PROPÕE SUBSTITUIR PÁSCOA E PENTECOSTES PELA FESTA MUÇULMANA DO CORDEIRO".
"LA DESCRISTIANIZACIÓN CONTINÚA, la formación de la izquierda francesa Terra Nova, ha elaborado un informe que propone suprimir el lunes de Pascua y Pentecostés, dos días claves para los cristianos y sustituirlos por la fiesta musulmana Eid al-Adha y fiesta judía Yom Kipur". [...]
Leia: "Francia: una fundación socialista propone quitar la Pascua y Pentecostés y sustituirlas por la fiesta musulmana del cordero". 23 de fevereiro de 2017 [http://www.actuall.com/persecucion/francia-una-fundacion-socialista-propone-quitar-la-pascua-y-pentecostes-y-sustituirlas-por-la-fiesta-musulmana-del-cordero/].

IV.

Material para estudo.

I.

[...] Em finais do século XIX, o partido radical francês era uma força política totalmente controlada pelos maçons, a ponto de, para muitos, serem totalmente equivalentes. Mas a maçonaria ultrapassou amplamente essa situação e, nos primeiros anos do século XX, tinha um peso notável - que contava, por outro lado, com antecedentes - no partido socialista francês. O Grande Oriente não só não manifestou o mínimo pesar pela entrada nas lojas maçônicas de gente que vinha de um movimento político ateu e materialista confesso, como reduziu as cotas de admissão para facilitar a entrada. Assim, foram iniciados na maçonaria socialistas relevantes como Jean Longuet, Jean Monnet, Roger Salengro e Vincent Auriol.

Se o papel da maçonaria francesa era extraordinário na política, não era menor em duas ocupações que sempre foram apresentadas como objetivo primeiro das lojas maçônicas. Referimo-nos ao ensino e às forças armadas. No terreno da educação, por volta de 1910 pelo menos dez mil professores de escola eram maçons - o que implicava um esforço de doutrinação realmente colossal - e, no exército os oficiais maçons tinham criado listas - o famoso "Affaire des Fiches" - que não apenas eram utilizados para se promoverem entre si, mas também, de maneira fundamental, para bloquear as ascensões dos oficiais católicos. De fato, o marechal Joffre, comandante-em-chefe do exército frances durante boa parte da Primeira Guerra Mundial, era maçom, fato que desagradaria a bom número de comandados.

A influência da maçonaria era tão considerável que importantes quadros do Partido Comunista francês eram iniciados. [...]

II.

No que se refere à conquista do poder, o papel dos maçons nos últimos anos foi realmente relevante em algumas nações. [...]

No caso da França, o papel da maçonaria é, simplesmente espetacular. Em 31 de agosto de 1987, na pequena igreja de La Groutte, François Mitterrand, acompanhado do antigo primeiro-ministro Pierre Mauroy, e rodeado de ministros como Michel Rocard, Pierre Bérégovoy, Jean Pierre Chevenement, Lionel Jospin e um longo etcétera, dava seu adeus a Roger Fajardie, membro do conselho da ordem do Grande Oriente da França e considerado a verdadeira eminência parda do regime. Em fevereiro desse mesmo ano, outro maçom, Michel Baroin, presidente da FNAC e da GMF, amigo pessoal de Chirac, tinha sido objeto de exéquias fúnebres não menos espetaculares na igreja de São Francisco de Sales em Paris. A França era então governada pelo partido socialista, e uma das consequências disto era que os "filhos da viúva" - 0,2 por cento da população - ocupavam vinte e cinco por cento das cadeiras ministeriais. Havia uma lógica, afinal de contas, pois a maçonaria tinha sido um fator essencial para que a esquerda francesa chegasse ao poder depois dos anos de seca do general De Gaulle. A ocupação de postos se concretizara graças a outro maçom de peso, Valéry Giscard d'Etaing, mas, com Miterrand na presidência, cerca de vinte por cento dos cargos franceses em instituições européias eram ocupados por maçons. No palácio Bourbon, passariam de uma centena, e no conselho de ministros, uma dezena, entre os quais Roland Dumas, Yvette Roucly, Jack Lang e François Abadie. No entanto, não há que se enganar, não se tratava apenas de socialistas. O próprio Chirac, político envolvido em vários casos de corrupção, contava já nessa época com homens de confiança que pertenciam a lojas maçônicas.

Durante os anos Mitterand, os maçons teriam também um papel relevante na corrupção, situação impossível de separar da gestão socialista. "Filhos da viúva" socialistas marcaram presença em todos os escândalos da época - Carrefour, Urba, Pechiney, Angoulème, Cannes. Seu programa, por vezes, parecia se reduzir a uma filosofia laicizante, uma suposta solidariedade social que justificasse o aumento do gasto público e criasse bolsões de voto cativo mediante subvenções; e a negócios da administração que permitissem conseguir abundantes benefícios pessoais, pela via da legalidade. O paralelo com outras administrações socialistas na Itália e na Espanha saltam aos olhos. 

Como se isto fosse pouco, e seguindo o exemplo de Napoleão, a maçonaria francesa foi utilizada para estabelecer um modelo de controle colonial sobre a África e, inclusive, de expansão política em países como a Checoslováquia - logo dividida em duas - no leste da Europa. No entanto, como acontecera no passado na América Hispânica, não parece que os dirigentes iniciados na maçonaria tenham demonstrado capacidade especial na hora de governar seus respectivos países. Uma e outra vez, a maçonaria tem aparecido nestas décadas como um instrumento privilegiado para alcançar o poder, mas não tão eficaz na hora de administrá-lo mais além da partilha de prebendas entre os irmãos. 

Na verdade, nestes anos, aos escândalos franceses se somaram outros, também protagonizados por maçons, mas em cenários nacionais distintos. [...]

(*) Textos extraídos de VIDAL, César. "Os maçons": a sociedade secreta mais influente da história. Relume Dumará: Rio de Janeiro, 2006. pp. (I) 193-194; (II) 217-219. 


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. Pierre Mollier, Grande Oriente da França, in "François Hollande rend hommage aux francs-maçons". Le Monde, 27 de fevereiro de 2017 [http://www.lemonde.fr/politique/article/2017/02/27/francois-hollande-rend-hommage-aux-francs-macons_5086378_823448.html].

[2]. Cf. "Francia castigará con multas y penas de cárcel a las páginas web provida". Infovaticana, 16 de janeiro de 2017 [https://infovaticana.com/2017/02/16/francia-castigara-multas-penas-carcel-las-paginas-web-provida/].

[3]. Cf. "Estrondoso vazamento de dados da MAÇONARIA - as lojas falam sobre ABORTO e GÊNERO". Fratres In Unum, 10 de maio de 2016 [https://fratresinunum.com/2016/05/10/estrondoso-vazamento-de-dados-da-maconaria-as-lojas-falam-sobre-aborto-e-genero/].

No comments: