Monday, September 16, 2019

O Sínodo da Amazônia e a militância comunista descarada.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

Cláudio Hummes. Cardeal, "apóstolo" da Teologia da Libertação e "amigo de longa data" do bandido Lula, em um evento de militância contra Bolsonaro [1]. Mas não é tudo. Cláudio Hummes é o presidente da REPAM (Rede Eclesial Pan-Amazônica), que participou diretamente, não só da elaboração do escabroso "Instrumento laboris", documento que trai a fé católica, mas cuida da organização e realização do Sínodo da Amazônia. Hummes é o relator do Sínodo! 

Diante de tantos fatos, mas sobretudo desse, quem será cretino o bastante para negar que o Sínodo da Amazônia é sim plataforma de ação política? Uma ação sórdida, pois falsifica a proteção do meio ambiente e a ecologia, no esforço de enganar o público e atacar o governo brasileiro. Uma ação para a qual os católicos estão cada dia mais cientes, pois veem a arruaça, a militância delinquente e a traição dos próprios "pastores" contra a sua Santa Igreja. 

O evento de militância, "Direitos Já", prestigiado por Cláudio Hummes - relator do Sínodo da Amazônia - aconteceu na última segunda-feira, 02 de setembro, no Teatro da Universidade Católica de São Paulo (TUCA). Mais uma usurpação do patrimônio da Santa Igreja.     

II.

A "emoção" do sociólogo tucano Fernando Guimarães - presidente do Instituto "Esquerda pra Valer" do PSDB - com a presença e a participação do Cardeal Cláudio Hummes - relator do Sínodo da Amazônia! - no recente evento de militância e oposição ao governo Bolsonaro [2]. Hummes, o "amigo de longa data" de Lula... [3] Ao fundo, a "madrinha" do abortismo e da ideologia gay, Marta Suplicy (MDB), e o governador do Maranhão, o comunista Flávio Dino (PCdoB). Assista: 


III.

Cláudio Hummes - o relator do Sínodo da Amazônia! - denúncia o risco que a democracia corre por causa de "poderes muito autoritários" e "desejos de autoritarismo cada vez maior" na "condução da nossa política". Na última segunda-feira, 02 de setembro, o Cardeal esteve ao lado de outros "líderes" religiosos, pastores, rabino, espírita, macumbeiros e outros, em um evento de militância contra Bolsonaro [4]. Não há como esconder mais a condução e o próprio caráter político do Sínodo da Amazônia. Assista: 


IV.

Delinquentes e facções comunistas que saquearam o Brasil e o submeteram a um criminoso esquema de poder internacional criam cinicamente uma grotesca "Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania". O evento aconteceu hoje (04), na Câmara dos Deputados, e aos berros de "Lula Livre" contou com a presença, "bênção" - e traição contra a Santa Igreja Católica! - de Dom Evaristo Pascoal Spengler, que representou a CNBB - Conferência dos Bispos. Além do Bispo da prelazia de Marajó (PA), participou também a "presbítera" Anita Sue Wright, do CONIC (cf. imagem) [5]. O detalhe é que ambos - Spengler e CONIC - estão envolvidos na promoção do Sínodo da Amazônia (cf. imagem) [6].

V.

Na "nota" anterior, tratei da participação de Dom Evaristo Pascoal Spengler, representando a CNBB - Conferência dos Bispos, em um ato declarado de militância comunista na Câmara dos Deputados, com a criação da escabrosa "Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania" [7]. Porém, no mesmo dia, 04 de setembro, o mesmo Pascoal Spengler, com outros membros da CNBB e da REPAM (Rede Eclesial Pan-Amazônica), entregou aos parlamentares na Câmara uma "carta" sobre o Sínodo da Amazônia [8]. O REPAM está diretamente envolvido na preparação e organização do Sínodo, tendo inclusive colaborado na redação do escabroso "Instrumentum laboris" [9].  

A "agenda" de Evaristo Paschoal na Câmara é mais uma amostra do que nenhuma autoridade eclesiástica pode negar mais: o Sínodo da Amazônia está sendo evidentemente utilizado para uma traição monstruosa contra a Santa Igreja Católica e a utilização Dela como instrumento de militância comunista, interferência em questões políticas e de soberania nacional.  

Na primeira imagem, Pascoal Spengler com Alessandro Molon, deputado do PSB. Partido Socialista Brasileiro, que é membro do Foro de São Paulo. Molon, um conhecido "filho" da nefasta Teologia da Libertação.

VI.

Publiquei aqui, no último dia 04 de setembro, que Dom Evaristo Pascoal Spengler - bispo da Prelazia de Marajó (PA) - cumpriu "agenda" de militância na Câmara dos Deputados: primeiro, junto a delinquentes e facções comunistas na criação de uma grotesca "frente parlamentar" para a "defesa da soberania" [10]; depois, no plenário, fazendo pose com o abortista Alessandro Molon, deputado do PSB (membro do Foro de São Paulo) e "batizado" pela Teologia da Libertação, para entregar aos deputados uma "carta" sobre o Sínodo da Amazônia [11].

Para efeito de registro, dias antes do cumprimento dessa "agenda" de militância aberta e escancarada, Evaristo Pascoal esteva com outros Bispos brasileiros, entre os dias 28 e 30 de agosto, na última reunião "preparatória" para o Sínodo da Amazônia [12]. Mais um encontro escabroso, e que teve a condução de Dom Cláudio Hummes - presidente do REPAM e relator do Sínodo -, participante também de ato de militância contra o governo Bolsonaro [13]. 

Os Bispos estão bem articulados. Pela política vale tudo, inclusive trair a Santa Igreja Católica. 

VII.

Comissão parlamentar comunista se levanta na defesa do Sínodo da Amazônia [14]. O grupo conta com a participação e as "bênçãos" de dois "apóstolos" da Teologia da Libertação, o deputado federal padre João PT - da Arquidiocese de Mariana - e de Frei Anastásio - também deputado federal petista que colaborou na fundação da Comissão Pastoral da Terra (CPT). 

Uma comitiva parlamentar será constituída e participará do Sínodo da Amazônia. A reunião que decidiu a investida teve a presença de representante da CNBB - Conferência dos Bispos (cf. imagem).  

Comissão, comitiva do PT e do Foro de São Paulo custeadas com dinheiro público, e não só para fazer militância comunista no Sínodo da Amazônia, mas para sabotar a Santa Igreja Católica. É importante recordar a presença de Dom Evaristo Pascoal Spengler em ato de militantes na Câmara dos Deputados e, no mesmo dia sendo recebido no Plenário pelo abortista Alessandro Molon (PSB) - Molon, que também participa dessa "comissão parlamentar" em "defesa" do Sínodo da Amazônia [15]. 


REFERÊNCIAS.









[9]. cf. "A escabrosa "preparação" dos Bispos brasileiros para o Sínodo da Amazônia", nota IV [https://b-braga.blogspot.com/2019/07/a-escabrosa-preparacao-dos-bispos.html].

[10]. cf. [http://bit.ly/2lEQKpp].

[11]. cf. [http://bit.ly/2lDc5zH].

[12]. cf. "Mais uma 'preparação' escabrosa dos Bispos brasileiros para o Sínodo da Amazônia" [https://b-braga.blogspot.com/2019/09/mais-uma-preparacao-escabrosa-dos.html].



No comments: