Tuesday, March 11, 2014

O "apostolado" do SOCIALISMO-COMUNISMO em Brasília.

Bruno Braga.

 


João Carlos Siqueira é Deputado Federal. Ele é “padre”. Para participar da política, assumiu determinadas restrições à sua atividade sacerdotal. Esta situação é possível nos termos da legislação canônica, embora justificável somente em casos EXCEPCIONAIS e de comprovada NECESSIDADE.
 
João Carlos promove sua carreira política apresentando-se como “padre” - “padre João”. No entanto, ele está filiado a um partido SOCIALISTA-COMUNISTA – ao PT de Minas Gerais –, o que é categoricamente proibido pela Igreja Católica e pode definir inclusive a sua EXCOMUNHÃO AUTOMÁTICA (link). 
 
 
Pior. O PT, além de SOCIALISTA-COMUNISTA, carrega projetos e bandeiras contrários aos preceitos católicos. Entre eles o ABORTISMO. O PT está empenhado, por força do programa do partido e por compromisso assinado com fundações multibilionárias, com a implementação definitiva do ASSASSINATO DE CRIANÇAS no país (link). 
 
 
Um “padre” - político – SOCIALISTA-COMUNISTA que trabalha contra os preceitos católicos e para um partido ABORTISTA. Esta é mais uma aberração produzida pela Teologia da Libertação. Um simulacro de teologia forjado para sorrateiramente tomar a Igreja Católica de assalto e instrumentalizá-la para favorecer um projeto de poder totalitário: o projeto SOCIALISTA-COMUNISTA.
 
 
Nestes termos, é exemplar a foto abaixo. João Carlos e Gilvander. Um se passa por “padre”, o outro se disfarça de “frei”. No entanto, ambos são de fato “apóstolos da revolução”. Marcharam juntos com o MST em Brasília, oportunidade em que a guerrilha rural PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA tocou o terror na capital federal com dinheiro público. Para barbarizar, tentou até invadir o Supremo Tribunal Federal e o Palácio do Planalto.
 
 
 
 
 
ARTIGOS RECOMENDADOS.

 
 

No comments: