Tuesday, September 22, 2015

Francisco: Fidel e a Religião.

Bruno Braga.




Em visita a Cuba, Francisco se encontrou com Fidel Castro. No domingo, 20 de Setembro, após a celebração da Missa na Praça da Revolução, em Havana, o ditador cubano abriu as portas de sua casa para receber o Papa. Eles conversaram - segundo o Diretor da Sala de Imprensa do Vaticano - sobre o meio ambiente e a atual situação do mundo. Na protocolar troca de presentes, Francisco recebeu o livro "Fydel y la Religión: conversaciones con Frei Betto" [1].




Publicado em 1985 [2], o livro é mais que a reprodução das entrevistas que Fidel Castro concedeu a Betto para falar sobre religião. Nele, o líder da revolução cubana "canoniza" o psicopata sanguinário que ordenava o fuzilamento de cristãos: "Se Che fosse católico, se Che pertencesse à Igreja, teria todas as virtudes para que fizessem dele um santo" (p. 376) - trata-se do mesmo Che Guevara, que ostentava: "Não sou Cristo nem filantropo. Sou totalmente o contrário de um Cristo" [...] "Um revolucionário deve se tornar uma fria máquina de matar movida apenas pelo ódio". "Fydel y la Religión" reune um mostruário de disparates e absurdos com estratégias práticas para, sorrateiramente, tomar de assalto a Igreja Católica e utilizá-la na promoção da revolução comunista. É o que o próprio Betto afirma nas páginas do livro:
"Então, hoje há um número infinito de Comunidades Eclesiais de Base em toda a América Latina; no Brasil existem cerca de 100 mil Comunidades Eclesiais de Base, que são grupos de cristãos, operários, campesinos, marginalizados, nas quais se reúne perto de três milhões de pessoas" [...] "Não é fácil convencer um operário, ou um campesino, de que deve lutar pelo socialismo, mas é muito fácil dizer o seguinte: 'Olha, homem, nós cremos em um só Deus'" [...] (pp. 282-283).

Betto confessa publicamente o plano de manipular a fé - de fraudá-la - para ludibriar os fiéis e conduzir o engajamento deles no ativismo revolucionário. O instrumento para estabelecer a manipulação é a Teologia da Libertação, definida por Betto no livro oferecido ao Papa como "um reencontro do cristianismo com suas raízes" (p. 291). Uma farsa, pois a Teologia da Libertação - de acordo com as revelações de Ion Mihai Pacepa, o ex-agente do serviço secreto da Romênia comunista que participou diretamente da execução do plano - foi concebida pela KGB para instrumentalizar a Igreja Católica, utilizando justamente Cuba como plataforma para disseminá-la [3].

O resultado da ação ardilosa pode ser avaliado pelo mapa político. A Teologia da Libertação contribuiu de forma efetiva para a ascensão do projeto de poder comunista na América Latina, sobretudo na ampliação e no fortalecimento do Foro de São Paulo, a organização criada por Lula e por Fidel Castro - e com a participação direta de Betto, ele mesmo um "apóstolo" da teologia revolucionária que utiliza o disfarce de "frei" [4] - para estabelecer no continente a imensa "Patria Grande" comunista. Um sucesso reconhecido pelo ex-Presidente do Paraguai, Fernando Lugo [5], e pelo próprio ex-Presidente Luiz Inácio:
"Mas por que é que eu cheguei aonde cheguei? Porque eu tenho por detrás de mim UM MOVIMENTO. Eu tenho por detrás de mim uma grande parte dos estudantes, do PT, a CUT, a "base da Igreja Católica" [quer dizer, a TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO] [...] EU ERA FRUTO DA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO" [6].

Em sua viagem apostólica à Bolívia, Francisco recebeu de Evo Morales um crucifixo talhado sobre o símbolo comunista da foice e do martelo. Um escândalo e uma afronta [7]. Mas, o presente de Fidel Castro não é menos ofensivo. Nele, o martírio dos católicos não está visível, como na peça oferecida pelo cocaleiro, e nas suas linhas o ditador cubano trata de negar a tortura e o fuzilamento dos que morreram no paredão gritando "Viva Cristo Rey!" (p. 221). Um cinismo malígno para conseguir estabelecer - por meio da fraude, do engano, da Teologia da Libertação - uma aliança inconcebível entre cristãos e comunistas, e com ela promover um projeto de poder totalitário e criminoso. No exemplar de "Fidel y la Religión", o ditador cubano escreveu uma dedicatória: "Para o Papa Francisco, por ocasião da sua visita a Cuba com admiração e respeito do povo cubano". Na dedicatória original do livro, porém, Betto expressa, com mais uma falsificação, qual é de fato o real objetivo do livro: "A todos os cristãos latino-americanos que, entre incompreensões e na bem-aventurança da sede de justiça, preparam, à maneira de João Batista, OS CAMINHOS DO SENHOR NO SOCIALISMO" (p. 14).



REFERÊNCIAS.

[1]. "Francisco encontra Fidel Castro". Rádio Vaticano, 20 de Setembro de 2015 [http://br.radiovaticana.va/news/2015/09/20/francisco_encontra_fidel_castro/1173396].

[2]. "Fidel y la Religión". Conversaciones com Frei Betto. Oficina de Publicaciones del Consejo de Estado: La Havana (1985).

[3]. PACEPA, Ion Mihai. "A KGB criou a Teologia da Libertação" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/01/a-kgb-criou-teologia-da-libertacao.html]. Tradução do Capítulo "Liberation Theology" (15), que é parte do livro "Disinformation": former spy chief reveals secret strategis for undermining freedom, attacking religion, and promoting terrorism (WND Books: Washington, 2013); "As raízes secretas da teologia da libertação". Trad. Ricardo R. Hashimoto. Mídia Sem Máscara, 11 de Maio de 2015 [http://www.midiasemmascara.org/artigos/desinformacao/15820-2015-05-11-05-32-01.html]; "A Cruzada religiosa do Kremlin". Trad. Bruno Braga [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/04/a-cruzada-religiosa-do-kremlin.html]; "Ex-espião da União Soviética: Nós criamos a Teologia da Libertação". ACIDigital, 11 de Maio de 2015 [http://www.acidigital.com/noticias/ex-espiao-da-uniao-sovietica-nos-criamos-a-teologia-da-libertacao-28919/].

[4]. Sobre Betto: "A promoção efetiva da Teologia "Socialista-Comunista" da Libertação" [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/05/a-promocao-efetiva-da-teologia.html]; "Sob a ´benção´ do ´Comandante´" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/02/sob-bencao-do-comandante.html]; "Um EXCOMUNGADO sem vergonha" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/04/um-excomungado-sem-vergonha.html]; "A 'profissão de fé' de Betto" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/08/a-profissao-de-fe-de-betto.html]; "A 'pedagogia' do Foro de São Paulo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/04/a-pedagogia-do-foro-de-sao-paulo.html].

[5]. Cf. "O engodo da libertação e o poder" [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/10/o-engodo-da-libertacao-e-o-poder.html].

[6]. Cf. "Não, a guerra não acabou", apenso III, vídeo - tempo: [01:39].

[7]. Cf. "Francisco: a cruz, a foice e o martelo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/07/francisco-cruz-foice-e-o-martelo.html].

No comments: