Saturday, June 18, 2016

Estratégia comuno-petista.

Bruno Braga.


Os estados e os municípios tornaram-se alvo de protestos. As manifestações foram intensificadas com rapidez e certa eficiência com o afastamento da Presidente Dilma Rousseff após a abertura do processo de impeachment. Não se trata de obra do cidadão comum, descontente com a situação política do país, mas de uma iniciativa relativamente organizada. 

No XXI Encontro do Foro de São Paulo, realizado em 2015, no México, houve um evento próprio para "Autoridades Locales y Sub-nacionales". O objetivo era transferir os projetos comunistas para as Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas. Um movimento estratégico de interiorização que afastaria deles os holofotes nacionais e, consequentemente, os deixariam menos expostos a críticas e resistências. Tendo em tais esferas administrativas - municípios e estados - uma rede de militantes e grupos de pressão disfarçados de "movimentos sociais", o trabalho de implementar os projetos seria em tese facilitado. Exemplo disso foi a tentativa sorrateira do governo petista de patrocinar a inclusão da ideologia de gênero nos planos municipais e estaduais de educação depois que o Congresso Nacional baniu o disparatado projeto de engenharia social e comportamental do Plano Nacional de Educação (PNE) [1].

Então veio a abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff, e o fantoche do Foro de São Paulo viu-se afastado da Presidência da República. A militância comuno-petista mais ostensiva - os sem-terra e os sem-teto - havia prometido: se isso acontecesse, o Brasil iria parar [2]. Bastou a ordem de comando para que toda a rede de agentes e de grupos de pressão passasse a agir em nome da "democracia" e contra um suposto "golpe". Militantes com o disfarce de "movimentos sociais" e "populares", em entidades de classe e sindicatos, fantasiados de "estudantes" e "professores", com a máscara de "intelectual" e "agente cultural". Greves, paralisações, reivindicações de Ministérios, ocupações de escolas, Institutos e Universidades Federais - que são centros de adestramento da militância comunista -, ocupações das Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas. 

A tropa recebeu o reforço de João, o "padre" do PT que assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados [CDHM] e anunciou: o colegiado será uma "trincheira" de "luta" e de "resistência". Para a batalha, o "apóstolo" da Teologia da Libertação reuniu aquele mesmo "exército" de "movimentos sociais" que está a serviço do PT para gritar contra o "golpe" e fazer terrorismo com "direitos" que foram supostamente "adquiridos" e "conquistados" - ou mesmo inventados como arma de guerra [3]. 

Claro, não se trata aqui de negar os problemas e dificuldades de ordem local, absolver prefeitos ou livrar os governos estaduais de suas responsabilidades, mas sim observar a estratégia ardilosa de utilizar esses problemas e dificuldades - ou mesmo de criá-los - como pretexto para abrir vários focos de "luta" e, com eles, forçar o acolhimento das reivindicações "populares", apresentadas por agentes, grupos, movimentos ditos "sociais" comprometidos com a preservação do esquema de poder comuno-petista.    


REFERÊNCIAS.

[1]. "Foro de São Paulo: confabulação comunista no México" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/08/foro-de-sao-paulo-confabulacao.html].

[2]. Cf. (a) "'O Brasil será incendiado por greves e ocupações se houver impeachment e prisão de Lula', diz Boulos". Estadão, 22 de março de 2016 [http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-sera-incendiado-por-greves-e-ocupacoes-se-houver-impeachment-e-prisao-de-lula--diz-boulos,10000022683]; (b) "Líder do MST convoca greve geral caso o impeachment seja aprovado". Valor, 16 de abril de 2016 [http://www.valor.com.br/politica/4526427/lider-do-mst-convoca-greve-geral-caso-o-impeachment-seja-aprovado].

[3]. Cf. (a) "CDHM: 'Padre' do PT comanda 'trincheira' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html]; (b) "Mariana: 'movimentos populares' e 'trincheira' comuno-petista [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/mariana-movimentos-populares-e.html]. 

No comments: