Thursday, September 05, 2013

O arrependimento dissimulado das "Organizações Globo".

Bruno Braga.



Em 1984, Roberto Marinho assinou o editorial do jornal “O Globo” intitulado “Julgamento da Revolução”. Na primeira página do periódico ele fez uma avaliação do Regime e assumiu – na condição de presidente e proprietário – a responsabilidade por ter apoiado a ação militar de 64. Dez anos após sua morte, no entanto, uma inversão. As “Organizações Globo” – a instituição – “decide” rever a postura do falecido: o apoio editorial ao golpe de 64 foi um erro [1].

Um exame de consciência é possível somente na unidade da consciência de um indivíduo humano. Como a entidade “Organizações Globo” não é portadora deste atributo, o arrependimento publicado em seu nome só pode ser um arranjo dos indivíduos, das pessoas reais e concretas que a administram e respondem por ela – ou seja, apesar de não ser assinado, dos herdeiros de Roberto Marinho.

A observação parece pueril. No entanto, ela é útil para compreender a postura das “Organizações Globo”. Não apenas para apontar a incapacidade de realizar um autoexame e de declarar “arrependimento”. Mas a impossibilidade de uma nota “institucional” se sobrepor a um testemunho “pessoal” assinado. A declaração das “Organizações Globo” não substitui o “exame de consciência” e o testemunho público do seu falecido dono e presidente. Os atuais responsáveis pelo conglomerado, sim, poderiam assumir uma posição distinta. Mas, se assim julgam, deveriam apontar pelo nome e assinar: Roberto Marinho errou. Não o fazem. Não o fazem porque não estão dispostos a fazer qualquer avaliação, mas empenhados em REESCREVER a HISTÓRIA.  

“As ruas nos deram ainda mais certeza de que a avaliação que se fazia internamente era correta e que o reconhecimento do erro, necessário” [2]. As “Organizações Globo”, porém, não esclarecem que tipo de “avaliação” foi feita e nem os responsáveis por ela. Não consta que em vida Roberto Marinho a tenha promovido, muito menos que tenha confessado o suposto equívoco. Apesar disso, a “entidade” se diz sensibilizada com a “verdade” do grito que ecoou nas recentes manifestações de rua: “A verdade é dura, a Globo apoiou a ditadura” [3].  

Acontece que o slogan é esgoelado por adolescentes rebeldes que do Regime Militar têm apenas as noções rasas dos cacoetes mentais transmitidos por militantes disfarçados de professores – que fazem da sala de aula um palco para suas fantasias revolucionárias ou palanque para seus candidatos e partidos. Ora, o núcleo de agentes políticos que os agregam – maquiado ainda em um sem número de “movimentos sociais” e sindicais – se serve da militância comprometida e da massa “idiotizada” para organizar e conduzir manifestações públicas, os protestos que tanto sensibilizaram as “Organizações Globo” [4]. O seu horizonte maior é a concentração de poder Socialista-Comunista, e a sua base de articulação e fomento o Foro de São Paulo, a entidade fundada por Lula e por Fidel Castro para promover – e agora fortalecer - a revolução na América Latina. A estratégia do Foro é justamente sustentar as mobilizações sociais e introduzir nelas os itens de sua própria agenda (Cf. Documento base, XIX Encontro do Foro de São Paulo, 2013).  

Não. As “Organizações Globo” – ou melhor, os responsáveis por ela – não são adolescentes revoltados que macaqueiam os surtos revolucionários de professores e “Intelectuais” militantes. Não. O “arrependimento” de apoiar a ação militar em 64 não é apenas afetação de “bom-mocismo”. Quer dizer, colocar-se ao lado dos que tentaram submeter o país a um regime Socialista-Comunista e foram combatidos pelos militares – os revolucionários, que hoje nos altos postos de poder são falsamente considerados “democratas”, enquanto, simultaneamente, solidificam o antigo ideal da “Pátria Grande latino-americana” proclamado pelo Foro de São Paulo.  

Nada disso. O “arrependimento” das “Organizações Globo” é a confissão pública de que aderiu a um projeto de poder. Tenta REESCREVER a HISTÓRIA fingindo ouvir os gritos das ruas. Mas, se tivesse alguma sinceridade nesta justificativa, não desprezaria as manifestações de milhares de pessoas que marcharam contra o Comunismo na década de 60 e em favor da ação militar. Não daria de costas para a população brasileira que – ao longo Regime - nunca manifestou apoio, sequer afeição, pelos terroristas que estão no poder e se fazem de paladinos de uma “democracia” pela qual nunca lutaram.

As “Organizações Globo” assumem definitivamente o que há tempos ajuda a disseminar. Roberto Marinho fez vistas grossas e foi conivente com os agentes que infestaram o seu conglomerado. Mas, como testemunho vivo, não podia negar a ameaça Comunista que o país viveu na década de 60. Morto - e agora com o domínio dos revolucionários - os herdeiros não têm nenhum pudor em trair – ardilosamente - o que o velho dono atestou. Eles se alinham a uma versão da história que é parte de um projeto de poder. Nos termos de uma Comissão – não da “verdade”, mas da MENTIRA – as “Organizações Globo” aderem oficialmente à revolução. Não faltam itens deste intento em seus canais: Abortismo; Feminismo; Gayzismo; Destruição da Família e dos valores tradicionais; Ridicularização do Cristianismo e fomento do Ecumenismo-Paganismo; Idealização das drogas e do banditismo; Desmoralização das Polícias e Forças Armadas, etc., etc. Mas, um em especial justifica o revisionismo histórico do conglomerado: o “marco regulatório” da mídia – quer dizer, o CONTROLE DA IMPRENSA - que é dado como reivindicação popular nas ruas. Na iminente realização desta pauta, as “Organizações Globo” anunciam um arrependimento em favor da “nova sociedade”, que é o alinhamento ao funesto Socialismo-Comunismo reinante.   


Referências.


[2]. Idem.

[3]. Idem.

[4]. BRAGA, Bruno. “Notas sobre a onda de protestos pelo Brasil” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/06/notas-sobre-onda-de-protestos-no-brasil.html].
    


No comments: