Tuesday, October 07, 2014

O Eurasianismo e a Teologia da Libertação.


Bruno Braga.
Anotações de estudo.


“O socialismo brasileiro e da América Latina como um todo tem muitas características nacionalistas e étnicas em si mesmo. O fator religioso católico e a síntese das crenças religiosas populares são elementos muito importantes no presente despertar da nova identidade soberana no Brasil. É, em alguns aspectos, comparável com o renascimento geopolítico, cultural e espiritual da Rússia moderna”.



A consideração acima é parte da conclusão apresentada por Aleksandr Dugin no debate com o professor Olavo de Carvalho (Cf. “Os EUA e a Nova Ordem Mundial”: Um debate entre Alexandre Dugin e Olavo de Carvalho. Vide Editorial: Campinas-SP, 2012. p. 213). Dugin - o seu Eurasianismo e Nacional-Bolchevismo – alimentam e conduzem as ambições imperiais do Presidente da Rússia, Vladimir Putin.

É verdade, não há uma citação expressa. No entanto, é inegável que a matriz do “socialismo brasileiro e da América Latina” enaltecidos pelo cientista político russo é o Foro de São Paulo - a organização fundada por Lula-PT e por Fidel Castro para organizar o movimento revolucionário SOCIALISTA-COMUNISTA latino-americano. Um projeto de poder que hoje dita as regras no continente e que pavimenta a sua aproximação com a Rússia de Putin.

Quanto ao “fator religioso católico” e à “síntese das crenças religiosas populares” observados por Dugin, a referência subentendida é – não a Igreja Católica – mas a Teologia da Libertação. Porque ela está na base daquele “socialismo brasileiro e da América Latina”. A Teologia da Libertação foi um dos instrumentos utilizados para erguê-los, servindo para politizar a fé e fazer ardilosamente dos fiéis colaboradores do movimento revolucionário. O ex-Presidente Luiz Inácio confessa a importância desse engodo teológico na ascensão do projeto de poder SOCIALISTA-COMUNISTA latino-americano [1]. E Ion Mihai Pacepa – ex-agente do serviço secreto da Romênia comunista, e que participou ativamente do projeto – revela a sua origem: a Teologia da Libertação foi forjada pela KGB [2].

Ademais. Basta rastrear as atividades dos “apóstolos” da teologia revolucionária para constatar o esforço despendido para fabricar uma “nova” Igreja, uma “nova” fé, sob o pretexto de se adequar à realidade do “povo” latino-americano com a incorporação de um conjunto de crenças ditas “populares” e até “indígenas”. É o mesmo processo que Dugin considera “muito importante” para o despertar da “nova identidade soberana no Brasil”, algo “comparável com o renascimento geopolítico, cultural e espiritual da Rússia moderna” – um produto artificial que está, pelo que foi dito até aqui, associado à realização de uma projeto de poder.

As observações feitas devem ser objeto de estudo e investigação - inclusive a “teologia” embutida nas teses e nos planos de Aleksandr Dugin. Neste artigo, Robert Zubain indica já no título do seu texto qual é a natureza dela: “Dugin’s Evil Theology”: His Eurasianism is a satanic Cult – “A Teologia do Mal de Dugin”: O seu Eurasianismo é um culto satânico (tradução livre) (Cf. [http://www.nationalreview.com/article/380614/dugins-evil-theology-robert-zubrin]). E uma citação do próprio cientista político russo não deixa dúvidas:

“O reino do Nacional-Bolchevismo, ‘Regnum’, o Império do Fim, é a realização perfeita da maior revolução da história continental e universal. É o retorno dos Anjos, a ressurreição dos heróis, a revolta do coração contra a ditadura da razão. Esta última revolução é a ocupação do Acéfalo, do Acéfalo portador da Cruz, da Foice e do Martelo, coroado pela suástica eterna”.

Nestes termos, é fundamental recordar as revelações de Fátima praticamente às vésperas do seu centenário:

[...] “virei pedir a CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA AO MEU IMACULADO CORAÇÃO e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. SE ATENDEREM AOS MEUS PEDIDOS, A RÚSSIA CONVERTER-SE-Á E TERÃO PAZ; SE NÃO, ESPALHARÁ SEUS ERROS PELO MUNDO, PROMOVENDO GUERRAS E PERSEGUIÇÕES À IGREJA” [...]. Trecho da segunda parte da mensagem que Maria revelou aos pastorinhos em Fátima. Mensagem reconhecida oficialmente pela Igreja Católica, embora o pedido de Nossa Senhora – Consagrar a Rússia ao seu Imaculado Coração – ainda não tenha sido realizado.


REFERÊNCIAS.

[1]. BRAGA, Bruno. “Não, a guerra não acabou”. Apenso III – Lula confessa que a Teologia da Libertação foi fundamental para a sua promoção política e a do PT [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/nao-guerra-nao-acabou.html]. Ver também o depoimento do ex-Presidente do Paraguai, Fernando Lugo, em “O engodo da libertação e o poder” [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/10/o-engodo-da-libertacao-e-o-poder.html].

[2]. PACEPA, Ion Mihai. “A Cruzada religiosa do Kremlin”. Front Page Magazine, 2009. Trad. Bruno Braga [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/04/a-cruzada-religiosa-do-kremlin.html].

No comments: