Tuesday, December 04, 2012

Patrono dos estudantes brasileiros.



Bruno Braga.

Fidel Castro na antiga sede da UNE, 1959.


Fidel Castro visitou o Brasil em 1999. Em sua passagem pela capital mineira, Belo Horizonte, ele foi recebido com honras militares – sob a proteção de um articulado e poderoso esquema de segurança – e acolhido por um público entusiasmado.

Depois das homenagens e dos presentes, entre eles uma garrafa de cachaça, Fidel Castro participou do 46º Congresso Nacional da UNE – realizado no ginásio do Mineirinho. “El Comandante” foi condecorado como presidente honorário da União Nacional dos Estudantes, reconhecimento e homenagem da entidade a um de seus modelos inspiradores. Diante de uma plateia de aproximadamente três mil pessoas, o novo presidente da UNE proclamou:

“Não é tempo de pensar na própria pátria. É preciso pensar na pátria latino-americana e caribenha, na pátria mundial”.

As palavras de Fidel Castro eram a expressão discreta de um projeto que já estava em curso. O Foro de São Paulo, que nasceu de um acordo entre o Partido Comunista Cubano e o PT do Brasil, estava – e está – empenhado na promoção da revolução Socialista-comunista na América Latina. Fidel Castro comandava uma ditadura sanguinária em Cuba. Era preciso, então, entronar o outro membro fundador da organização: Luiz Inácio Lula da Silva – o que aconteceu em 2002.  

As conquistas do Foro de São Paulo estão estampadas no mapa político, pintado com o vermelho da besta revolucionária latino-americana. Os esforços e os resultados são reconhecidos com entusiasmo pelas próprias lideranças da organização [1]. O movimento estudantil é um dos seus instrumentos. A UNE, que um dia pintou a cara dos estudantes para reivindicar o impeachment de Collor – que gritava escandalizada por causa de um Fiat Elba -, se calou diante de um esquema de poder infinitamente maior, o do “mensalão”. E mais, assumiu a defesa dos “marginais do poder” – dos “mensaleiros” - depois da condenação proferida pelo Supremo Tribunal Federal. Absurdo, mas coerente – fiel braço do movimento revolucionário. A UNE, que recebeu milhões dos cofres públicos – doados generosamente por Lula – conserva firme o horizonte proclamado por seu ilustre presidente: a “pátria latino-americana caribenha”  de Fidel Castro, o ditador genocida e patrono dos estudantes brasileiros.     


Referências.

[1]. Cf. Mensagem de Lula enviada ao XVIII Encontro do Foro de São Paulo, realizado na Venezuela, em 2012 in BRAGA, Bruno. “Sob o efeito do encanto” [http://dershatten.blogspot.com.br/2012/07/sob-o-efeito-do-encanto.html]


  

No comments: