Sunday, February 23, 2014

O evangelho segundo Dilma e o PETISMO-SOCIALISMO-COMUNISMO.

Bruno Braga.
 
 
 
“Se fosse o Papa Bento XVI, eu não estaria no Vaticano para participar do consistório de Dom Orani Tempesta”, Dilma Rousseff.
 
 
 
 
Nas eleições de 2010, a então candidata Dilma Rousseff fingiu ser católica. O disfarce era uma estratégia para proteger a sua candidatura. Para esconder o que ela e o seu partido – o PT – eram e SÃO: ABORTISTAS [1]. Dilma parece ter se esforçado, mas não conseguia fazer sequer o “Pelo Sinal”:


 
Em meio à polêmica, Bento XVI, na época Papa, reafirmou a posição INEGOCIÁVEL da Igreja Católica – e que DEVE ser a de todos os fiéis - em favor da VIDA. Em carta aos bispos do Brasil, o Sumo Pontífice condenou ABORTO. Dilma foi eleita Presidente da República, mas não esqueceu a manifestação do Papa. Em 2013, quando Bento XVI anunciou que estava renunciando ao Ministério do Bispo de Roma, ela não enviou nenhuma mensagem ao Vaticano. E hoje – participando do primeiro Consistório do Pontificado do Papa Francisco, cerimônia na qual Bento XVI estava presente, agora como Bispo Emérito – Dilma declarou: “Se fosse o Papa Bento XVI, eu não estaria no Vaticano para participar do consistório de Dom Orani Tempesta” [2].
Dilma não professa a religião católica, ela é fiel ao “evangelho” revolucionário leninista: “Os comunistas devem lembrar-se de que falar a verdade é um preconceito pequeno-burguês; uma mentira, por outro lado, é muitas vezes justificada pelo fim” [...] “Estamos resolvidos a tudo o que é possível: astúcias, artifícios, métodos ilegais, calar, dissimular, etc.” (Lênin).
Na Presidência da República, Dilma favoreceu a implementação medidas administrativas para facilitar a prática do ABORTO no país, principalmente com a indicação de Eleonora Menicucci para a Secretaria de Políticas para as Mulheres – uma militante ABORTISTA que disse ter sido “muito linda” a experiência de treinar clandestinamente a prática de ASSASSINAR CRIANÇAS na Colômbia [3].
Para as eleições de 2014, o objetivo é aproximar-se do Papa Francisco. Utilizar o “carisma” do Sumo Pontífice – a postura e o comportamento - para blindar a sua candidatura para a disputa eleitoral [4]. Esta é exatamente a estratégia dos “apóstolos” da revolução. Apropriar-se do discurso do Papa Francisco – que geralmente enfatiza o “pobre” – e associá-lo ardilosamente à “opção preferencial pelos pobres” da Teologia da Libertação - do simulacro de teologia forjado para instrumentalizar a Igreja Católica e utilizá-la para favorecer o projeto de poder SOCIALISTA-COMUNISTA. É o que faz, por exemplo, Leonardo Boff - que trabalhou na campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2010 [5].
No Vaticano, Dilma desrespeitou o Bispo Emérito de Roma – e deu mais uma amostra descarada de que a sua religiosidade é o projeto de poder PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA. Esta é Dilma, que um dia colocou o véu sobre a cabeça para cumprimentar Bento XVI:

 
NOTAS.
 
[3]. BRAGA, Bruno. “Teste de sensibilidade – um resultado provável” [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/03/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x_18.html].
[4]. Cf. Nota [2].
[5]. Leonardo Boff: [a] em campanha para Dilma Rousseff ([http://b-braga.blogspot.com.br/2014/02/a-barbarie-socialista-comunista.html]) (Cf. ANEXO II); [b] instrumentalizando a imagem e o discurso do Papa Francisco ([http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/nao-guerra-nao-acabou.html]; ([http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/francisco-um-aviso-direto-aos-teologos.html]).

No comments: