Saturday, October 19, 2019

"Apologia" da Teologia da Libertação na Arquidiocese de Mariana.

Bruno Braga.


Só podia ser... Dê uma olhadinha na "apologia" da Teologia da Libertação publicada no site da Arquidiocese de Mariana. "Libertação ou prosperidade?" Autor: José Antônio de Oliveira [1]. O "padre" comunista (sim, ele mesmo confessa! [2]) que não perde a oportunidade para excretar ofensas contra a Santíssima Virgem Maria [3]. 

Segundo o militante do PT e do "Lula livre" [4], a teologia revolucionária nasceu em um período em que "governos totalitários e opressores", e "empresários inescrupulosos", "agiam" com a "conivência" e o "apoio" da "própria Igreja". Não, José Antônio não é um jumento. É cara de pau mesmo! A Teologia da Libertação foi (e continua sendo) patrocinada por "governos totalitários e opressores", por regimes comunistas, "romantizados" pelo senhor José Antônio. Os "empresários inescrupulosos" do morticínio; uma produção em massa de cadáveres insuperável, uma máquina de matar que fuzilava os católicos que se recusavam a negar a sua fé. Sim, essa mesma fé que José Antônio vende e prostitui com os truques e falsificações da Teologia da Libertação para fazer militância comunista.     

O pároco da Paróquia São João Batista, em Barão de Cocais (MG), não tem a menor vergonha em anunciar que a Teologia da Libertação "não brotava da cabeça de alguns pensadores, mas do próprio Deus da Aliança, que se dirigia a Moisés dizendo que ouviu o clamor do seu povo e desceu para libertá-lo (cf. Ex 3,7)". Não para por aí.  

José Antônio disse que, "infelizmente [!], alguns elementos prejudicaram o florescer dessa nova teologia", e um deles foi "o fato de alguns dos seus expoentes lançarem mão da análise marxista da história e de outras teorias sociopolíticas". "Infelizmente"?! Ora, é muito fingimento! O próprio José Antônio celebra o satanista Karl Marx e confessa ele mesmo ser um "padre" comunista! [5] 

O militante de batina (bom, nem batina ele usa) afirma que a Congregação para a Doutrina da Fé publicou uma "instrução" em 1986 para dirimir a "crítica negativa" que recaiu sobre a Teologia da Libertação após a "Instrução" de 1984 ("Libertatis Nuntius"). Mentira! O propósito da "Instrução" de 1986 - "Libertatis conscientia" - era apresentar um conceito de "libertação" que fosse adequado à fé católica. Conceito ao qual nunca se conformou um só autor da Teologia da Libertação.

Para concluir, José Antônio demonstra toda a sua apreensão: [...] "preocupa-nos o crescimento, nos meios eclesiais e na política, de uma onda neoliberal e conservadora, no sentido mais negativo das expressões. Alguns chegam a chamar esse movimento de teologia da prosperidade, embora não possamos dizer que isso seja uma teologia, pois é antiética e antievangélica". 

Ora, tentar associar a "onda conservadora" à "teologia da prosperidade" é de uma baixeza monstruosa. Basta abordar o "conservador" mais superficial sobre o "ministério" da "prosperidade" e ouvir de imediato e repulsa e a abominação. Porém, o que José Antônio quer é isso mesmo: falsificar a realidade e criar uma oposição; claro, colocando-se com os seus asseclas, do lado supostamente "bom" e "justo", que seria o da "libertação". 

José Antônio, contudo, omite que "prósperos" são os "ícones" da Teologia da Libertação. O próprio Gustavo Gutiérrez, citado pelo comunista de Mariana, recebe patrocínios milionários para disseminar os embustes da teologia revolucionária que, após anos de "catequese" nefasta,  devastou paróquias e igrejas, a fé das pessoas [6]. 

É uma vergonha que a Arquidiocese de Mariana publique uma peça de engano e má-fé desse tipo, escrita por um sujeito que não esconde de ninguém o seu compromisso com a militância comunista que saqueou o Brasil e aparelhou a Santa Igreja. Aliás, um "padre", "discípulo" de Leonardo Boff e entusiasta do Sínodo da Amazônia [7] - a propósito, é oportuno recordar que José Antônio foi o autor do "hino" da Campanha da Fraternidade 2016, que tratou da "Casa Comum, nossa responsabilidade" [8]. José Antônio, que há anos trabalha para criar uma "nova igreja", óbvio, enganando os católicos com a Teologia da Libertação.   


REFERÊNCIAS.






[6]. cf. "A rica Igreja alemã patrocina o cisma assim"… [https://www.obramissionaria.com.br/a-rica-igreja-alema/].


[8]. cf. "Uma Campanha da Fraternidade fiel à 'tradição'" [https://b-braga.blogspot.com/2016/02/uma-campanha-da-fraternidade-fiel.html].

No comments: