Friday, October 05, 2018

João: a campanha eleitoral vigarista do "padre do PT".

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

Este é o material de campanha do padre João, que tenta se reeleger deputado federal (cf. imagem). Como se não bastasse trabalhar para uma facção criminosa e o seu esquema de poder comunista, para o estabelecimento e realização de uma agenda de engenharia social e comportamental - pautada no aborto, ideologia de gênero LGBT-gayzista, legalização das drogas, o adestramento nas escolas, etc., etc. - escandalosamente contrários aos princípios da Santa Igreja Católica, o "apóstolo" da nefasta Teologia da Libertação desobedece a determinação do Arcebispo da Arquidiocese de Mariana. No dia 07 de setembro, Dom Aírton José dos Santos ordenou: "A Igreja, em sua missão de evangelizar, tem a responsabilidade de iluminar as consciências dos cidadãos, despertando as forças espirituais e promovendo os valores sociais, através da pregação e do testemunho. Uma manifestação inequívoca desse empenho, encontramos na Encíclica do Papa Bento XVI, 'Deus caritas est', que exorta os cristãos leigos a assumirem compromissos na política, também partidária (n.29). Esta tarefa é de competência exclusiva dos fiéis leigos e leigas. 'OS CLÉRIGOS SÃO PROIBIDOS DE ASSUMIR CARGOS PÚBLICOS QUE IMPLICAM PARTICIPAÇÃO NO EXERCÍCIO DO PODER CIVIL' (Cân. 285, §3)" [1].

Mas não é só isso. Note que, no material de campanha, nas indicações de voto, a referente ao candidato do PT à Presidência da República vem acompanhada do nome do presidiário Lula. A malícia, o artifício baixo e rasteiro para aproveitar o apelo que, infelizmente, o nome e a imagem de um bandido preso ainda têm sobre muitas pessoas. 

A justiça eleitoral (@treminas) examinará o material? E a Arquidiocese de Mariana, o que fará? Pelo visto, nada... E os padres, nas suas paróquias e igrejas, vão alertar o seu rebanho para esse falsário, que por meio do engano e da fraude está angariando o voto dos católicos na região? Pelo visto, nada farão também... 

II.

O material de campanha do padre João 1315. Na última "nota", foi exposta a malícia para angariar votos. Agora, na cidade de Ponte Nova (MG), a Polícia Militar apreende o material do candidato do PT que tenta se reeleger deputado federal (cf. imagem).

Um "padre" que distorce a fé católica com os truques e fraudes da Teologia da Libertação, induzindo ardilosamente os fiéis a apoiarem uma facção, um esquema de poder criminoso com uma agenda totalmente contrária aos princípios e orientações da Santa Igreja. Um "padre" que coloca a Santa Igreja no noticiário policial. É vergonhoso. E a Arquidiocese de Mariana nada faz.

III. 

Por falar em Ponte Nova, onde a Polícia Militar apreendeu o material de campanha ardiloso do Padre João 1315, que tenta reeleger-se deputado federal pelo PT... Este é Wander Torres Costa, padre da Paróquia São Sebastião, na mesma Ponte Nova, no interior de Minas Gerais (cf. imagem). Leia o texto. Nele, o "padre Wandinho" tentou esconder, disfarçar, mas não se conteve. No final, acabou dando com a língua nos dentes: "# Ele não"! - uma tentativa maliciosa de influenciar os seus seguidores e paroquianos contra Bolsonaro.

Para quem não o conhece, Wander Torres Costa é o "apóstolo" da Teologia da Libertação que comparou as investigações contra o presidiário Lula com a Paixão de Cristo [2]. Para os que não se lembram, o "padre do PT" - João - já andou "pregando" em Ponte Nova, como no evento promovido pela Dimensão Sociopolítica das paróquias de São Pedro, São Sebastião (a paróquia do "padre Wandinho"!) e Santíssima Trindade do município, em 2017 [3]. 

A Arquidiocese de Mariana assiste e nada faz contra os militantes de batina que transformaram as paróquias e igrejas da região em comitês da criminosa facção comunista. 

IV.

Muitas pessoas já conseguem identificar um dos principais truques dos "apóstolos" da Teologia da Libertação: a pregação nas paróquias e igrejas da tal "opção preferencial pelos pobres". Uma "opção" que nada tem a ver com os "pobres", mas sim com a instigação da "luta de classes" comunista, condenada pela Santa Igreja Católica. 

Eis uma amostra, no âmbito eleitoral, de quão "pobre" é a campanha de um "apóstolo" da Teologia da Libertação. Padre João 1315 recebeu recursos praticamente milionários: são R$ 930.200,00 do fundo partidário (cf. imagem) [4]. Isto é, um amontoado de dinheiro público - que saiu do bolso do contribuinte - para, não só promover uma candidatura, mas para enganar os católicos, convencê-los a votar e reeleger deputado federal o membro de uma facção comunista que trabalha para o cumprimento e a realização de uma agenda escandalosamente contrária aos princípios e orientações da Santa Igreja Católica.

É importante recordar que, na prestação de contas do "padre do PT", na campanha eleitoral de 2014, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registrou doações do Banco Bom Sucesso, do mega-empresário Benjamin Steinbruch, da Construtora Camargo e Correia, e R$ 76.000,00 da Odebrecht (!) [5].

A Arquidiocese de Mariana - a contar pela passividade - parece nem se importar.

V. 

O Padre João 1315 parece ter problemas com a justiça. O TRE não aprovou a sua prestação de contas da campanha eleitoral de 2014. Além disso, ele responde por "improbidade administrativa" em ação movida pelo Ministério Público Federal  por "suposto" desvio de recursos do Ministério da Pesca e da Agricultura de Minas Gerais para se autopromover durante o período de campanha eleitoral (cf. imagem) [6].

Eis o "padre do PT", que tentará se reeleger deputado federal nas eleições do próximo domingo, 07 de outubro. João, o "apóstolo" da Teologia da Libertação que trabalha para uma facção e para um esquema de poder criminoso, cuja agenda é escandalosamente contrária aos princípios e orientações da Santa Igreja Católica. João e suas "pendências" judiciais. 

A Arquidiocese de Mariana, porém, nada faz para frear a campanha desse "pastor", que há anos corrompe e desvia o rebanho confiado à sua responsabilidade. 

(*) Leia também: "João - 'vida dupla', improbidade administrativa e guerrilha rural dos sem-terra" [https://b-braga.blogspot.com/2015/02/joao-vida-dupla-improbidade.html]. 

VI.

No dia 07 de setembro, o Arcebispo da Arquidiocese de Mariana - Dom Aírton José dos Santos - publicou uma mensagem com orientações para a participação dos fiéis, paróquias, comunidades, pastorais, movimentos e associações nas eleições deste ano de 2018 [7].

O termo 9 das orientações é muito claro: "A Igreja, em sua missão de evangelizar, tem a responsabilidade de iluminar as consciências dos cidadãos, despertando as forças espirituais e promovendo os valores sociais, através da pregação e do testemunho. Uma manifestação inequívoca desse empenho, encontramos na Encíclica do Papa Bento XVI, 'Deus caritas est', que exorta os cristãos leigos a assumirem compromissos na política, também partidária (n.29). Esta tarefa é de competência exclusiva dos fiéis leigos e leigas. 'OS CLÉRIGOS SÃO PROIBIDOS DE ASSUMIR CARGOS PÚBLICOS QUE IMPLICAM PARTICIPAÇÃO NO EXERCÍCIO DO PODER CIVIL' (Cân. 285, §3)".

Muito bem. O destaque estabelecido na citação é para questionar: como fica a situação do "padre do PT"? O Padre João 1315, que tenta se reeleger deputado federal em Minas Gerais - e está em campanha eleitoral com Dilma Rousseff, a abortista, terrorista comunista e despachante do Foro de São Paulo que foi impichada da Presidência da República e agora concorre a uma cadeira no Senado Federal também por Minas (cf. imagem). João diz contar com o apoio do Arcebispo de Mariana: Dom Aírton "compreendeu essa importância de tentar buscar mais um mandato" [8].

João - o "apóstolo" da Teologia da Libertação - está mentindo? A orientação de Dom Aírton - que veda a candidatura do "padre" da facção PT - será aplicada ou é somente faz de contas? 

VII.

Para os que se escandalizam com as aberrações do Padre João 1315 (como exemplo, leia a "nota" seguinte), mas ainda não o conhecem, é importante recordar que ele foi ordenado por Dom Luciano Mendes de Almeida, em 1995. O "padre do PT" foi não só "discípulo" do antigo Arcebispo da Arquidiocese de Mariana na "catecismo" da Teologia da Libertação como construiu a sua carreira política motivado pelo ex-presidente da CNBB - Conferência dos Bispos. 

No processo de beatificação de Dom Luciano, a Arquidiocese de Mariana relatou a formação desse "pastor" que conduz o seu rebanho a colaborar com um esquema de poder comunista, e que tem uma agenda monstruosamente contrária à fé, aos princípios e orientações da Santa Igreja Católica?

(*) Eu apresentei a imagem abaixo em uma nota publicada no dia 02 de junho de 2018, e aproveito a oportunidade para sugerir que ela seja lida novamente: [https://www.facebook.com/blogbbraga/photos/a.190586071090013/1031731760308769/?type=3&theater].

VIII.

O Padre João 1315 deveria estar afastado das funções sacerdotais - e não só por estar associado a um esquema de poder comunista escandalosamente contrário aos princípios e orientações da Santa Igreja Católica, mas também por estar em pleno exercício de um mandato público, o de deputado federal. "Deveria"... Porém, ele não está, e não esteve. João chegou inclusive a participar da celebração da Santa Missa na sede da CNBB - Conferência dos Bispos, em Brasília [9]. 

Está aqui mais uma prova recente de que o "padre do PT" não está nem aí para as determinações da Santa Igreja. Ele celebrou a Sagrada Eucaristia durante a 57a Fogueira de Sant'Ana, em Urucânia (MG), no dia 28 de julho de 2018. João realizou a celebração em plena campanha eleitoral para tentar reeleger-se deputado federal. Celebrou e depois... depois... caiu no bailão! Confira as imagens.

A Arquidiocese de Mariana não toma nenhuma providência diante das afrontas do "apóstolo" da Teologia da Libertação.

IX.

Na época das audiências públicas realizadas pelo STF para tratar da ADPF 442, Dom Airton José dos Santos publicou uma carta, denunciando a sórdida tentativa de legalizar o aborto no país, e ordenou que o texto fosse lido em todas as paróquias e igrejas da Arquidiocese de Mariana [10].

Uma iniciativa meritória. Porém, diante dela, qual foi a postura do "padre do PT"? É verdade que em tese - e por conta do exercício de um mandato parlamentar - ele deveria estar afastado das funções sacerdotais. "Deveria", mas não está. Desobedece sem vergonha nenhuma a determinação. Mas, ainda que não tivesse como ler a carta, como o Padre João 1315 se posicionou frente à ADPF 442? Deputado federal, ele fez algum pronunciamento ou se manifestou publicamente? Obedeceu o seu Arcebispo e a Santa Igreja Católica na defesa da vida? Ou, "apóstolo" da Teologia da Libertação que é, manteve-se fiel ao seu partido - ao PT, que tem um compromisso direto com a legalização do assassinato de crianças no Brasil?

Na imagem, que é de 2017, João está abraçado com Dilma Rousseff. Nas eleições deste ano, João tenta reeleger-se deputado federal, Dilma - que na cadeira de Presidente da República fez as vezes de despachante do Foro de São Paulo - é candidata ao Senado em Minas Gerais. "Célebre" abortista, Dilma conta com o apoio e as "bençãos" do "padre do PT". João, que recentemente teve a sua candidatura apoiada por Jô Moraes, a comunista que é vice de Fernando Pimentel - terrorista comunista e "companheiro de armas" de Dilma Rousseff [11] que tenta reeleger-se governador de Minas. Jô Moraes, que também é abortista. 

X. 

Para aproveitar que o tema das últimas "notas" foi a promoção da ideologia gay dentro da Santa Igreja Católica, vamos recordar aqui a militância em favor da ideologia de gênero LGBT gayzista realizada pelo "padre do PT". João, o "apóstolo" da Teologia da Libertação que tenta reeleger-se deputado federal.

Nas imagens, que são de 2017, Padre João 1315 aparece na companhia do deputado Jean Wyllys - ícone da "causa" gayzista e, como o próprio "padre do PT", também "batizado" pela Teologia da Libertação [12].

"Haverá um momento em que a batalha final entre o Reino de Deus e Satanás será sobre o matrimônio e a família". Foi o que escreveu a Irmã Lúcia, uma das videntes de Fátima, ao Cardeal Carlo Caffarra. Caffarra, por sua vez, destacou que uma das expressões desse terrível combate é o "enobrecimento da homossexualidade" e, consequentemente, a guerra para consagrar em definitivo a ideologia de gênero LGBT-gayzista [13].

Neste combate, é evidente de que lado está o "padre do PT" - ainda que ele descaradamente ouse pedir a benção de Nossa Senhora para a sua "campanha eleitoral" [14]. Quem precisa definir de uma vez por todas o seu lado é a Arquidiocese de Mariana, que simplesmente assiste ao assédio e ao aliciamento do seu rebanho. 

XI.

Em Fátima, a Santíssima Virgem Maria fez um pedido: que a Rússia fosse Consagrada ao Seu Imaculado Coração. Era um alerta da Mãe de Deus, na tentativa de evitar que a Rússia espalhasse os seus "erros" pelo mundo. Ninguém - em sã consciência - contesta que era uma referência ao Comunismo - e parece evidente que a Teologia da Libertação deva ser incluída entre tais "erros", uma vez que é um subproduto do Comunismo. 

No entanto, neste dia 19 de agosto, em que a Santa Igreja Católica celebra a solenidade da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria, o católico pode se assustar com esta imagem [15]. 

Um "padre" que está a serviço de um partido comunista - PT - e o seu criminoso esquema de poder - o do Foro São Paulo -, que têm na sua "agenda" a promoção da "luta de classes" marxista, o adestramento político em sala de aula, ideologia de gênero LGBT-gayzista, legalização das drogas, aborto - assassinato em massa de crianças inocentes -, enfim, uma "agenda" obscenamente contrária à fé, aos princípios e orientações da Santa Igreja. 

Um "apóstolo" da Teologia da Libertação pedindo a "benção" de Nossa Senhora para a sua "campanha"... Um autêntico adversário (!) de Fátima [16]. É uma imagem grotesca. Asquerosa no seu caráter de inversão - que é um insulto à Santíssima Virgem Maria -, mas própria da serpente que é esmagada pela Mãe de Deus. 

Este é o Padre João 1315, que tenta reeleger-se deputado federal e faz campanha eleitoral livremente na Arquidiocese de Mariana. 

XII.

Ora, ora, ora... Depois de recentemente protagonizar o escândalo de uma "missa afro" [17], desencadeando uma polêmica escabrosa sobre uma "celebração" que não existe sequer na África [18], o padre Julião recebeu em Carandaí (MG) o "padre do PT" para um "bate papo com LIDERANÇAS POLÍTICAS (!) e comunitárias NA CASA PAROQUIAL (!)" (cf. imagem). Padre João 1315, o "apóstolo" da Teologia da Libertação que está em plena campanha eleitoral, na tentativa de reeleger-se deputado federal e continuar o seu "serviço" ao criminoso esquema de poder comunista - esquema que contraria frontalmente os princípios e orientações da Santa Igreja Católica. 

A Arquidiocese de Mariana tem o dever de se manifestar para o esclarecimento do rebanho confiado à sua proteção. 

XIII.

O Padre João 1315, que tentará reeleger-se deputado federal nas eleições deste ano, publicou um vídeo no qual responde a pergunta "é padre mesmo?" [19]. 

Ordenado, sim, ele é, embora contrarie evidentemente, no compromisso partidário e no "apostolado" da Teologia da Libertação, os princípios e orientações da Santa Igreja Católica. No vídeo, João conta um pouco de sua história e, como parte dela, destaca a "aceitação" e "compreensão" da sua vida política por parte dos antigos Arcebispos da Arquidiocese de Mariana, Dom Luciano Mendes de Almeida e Dom Geraldo Lyrio Rocha - que também foram presidentes da CNBB - Conferência dos Bispos. Mas, inclui também o recém-empossado Dom Airton José dos Santos: "ele compreendeu essa importância de tentar buscar mais um mandato, mas ao mesmo tempo construir uma saída, a gente trabalhar na formação dos leigos para que possam assumir essas tarefas" [20]. 

Ora, será que Dom Airton de fato "compreendeu" a "importância" de mais um mandato do "padre do PT"? Ou trata-se de utilizar o nome do Arcebispo para a campanha eleitoral? No caso da construção de "uma saída" - nas palavras de João, "trabalhar na formação dos leigos para que possam assumir essas tarefas", ou seja, a política, que realmente deve ser exercida por leigos, não por padres - neste caso, trata-se de promover a perniciosa "catequese" da Teologia da Libertação, formar militantes e agentes comuno-petistas (como o próprio deputado João) que trabalhem para um esquema de poder criminoso e condenado pela própria Santa Igreja Católica? 

Independentemente das respostas, certo é que o "padre do PT" já está utilizando o nome e as estruturas da Arquidiocese de Mariana na campanha eleitoral, na tentativa de reeleger-se deputado federal [21].

XIV.


Delinquência total. O deputado Padre João Lula promove assim a "candidatura" de um bandido encarcerado. Nas redes sociais, o "apóstolo" da Teologia da Libertação mais uma vez pisa - e com sorriso no rosto - os princípios e orientações da Santa Igreja, debocha dos católicos que ainda têm uma noção da sua fé. 

E a Arquidiocese de Mariana? Como age diante da postura e da militância comunista do "padre do PT", que tentará mais um mandato nas próximas eleições?



REFERÊNCIAS.


[2]. Cf. "Do que um 'apostolo' da Teologia da Libertação é capaz..." [https://b-braga.blogspot.com/2016/04/do-que-um-apostolo-da-teologia-da.html]. 

[3]. "As aberrações da Teologia da Libertação em Ponte Nova (MG)" [https://b-braga.blogspot.com/2017/09/as-aberracoes-da-teologia-da-libertacao.html].


[5]. Cf. "João - 'vida dupla', improbidade administrativa e guerrilha rural dos sem-terra" [https://b-braga.blogspot.com/2015/02/joao-vida-dupla-improbidade.html].     




[9]. Cf. "CNBB: templo do 'apostolado' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com/2015/07/cnbb-templo-do-apostolado-comuno-petista.html]; "João - 'vida dupla', improbidade administrativa e guerrilha rural dos sem-terra" [https://b-braga.blogspot.com/2015/02/joao-vida-dupla-improbidade.html].


[11]. Cf. "Pimentel - CODINOME: 'Jorge'" [http://b-braga.blogspot.com/2014/09/pimentel-codinome-jorge.html].


[13]. Idem. 


[15]. A imagem foi extraída deste vídeo: [https://www.facebook.com/padrejoao/videos/234502730602645/].

[16]. Cf. "João: totalitarismo comuno-globalista da ONU, Teologia da Libertação, sacrilégio, guerrilha comunista e o centenário de Fátima" [https://b-braga.blogspot.com/2017/02/joao-totalitarismo-comuno-globalista-da.html].




[20]. Cf. idem [-01:22].

[21]. Cf. “Estarrecedor: Arquidiocese de Mariana fomenta militância comunista e eleitoral” [http://b-braga.blogspot.com.br/2018/03/estarrecedor-arquidiocese-de-mariana.html]; “Laicato? A Arquidiocese de Mariana e a radicalização comuno-CNBBista contra os leigos e contra a Santa Igreja Católica” [http://b-braga.blogspot.com.br/2018/03/laicato-arquidiocese-de-mariana-e.html].

No comments: